Ponta Porã, Quinta-feira, 17 de agosto de 2017
04/08/2017 13h50

Artigo: Agronegócio do Brasil, China e da Europa

Por José Luiz Tejon Megido, Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Dirige o Núcleo de Agronegócio da ESPM.

Divulgação: Dora Nunes
 
 

Você quer vender? Você também precisa comprar. Aliás, essa é a regra número um de um grande vendedor. Quem quer vender muito e bem, é preciso comprar do cliente antes.

O Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, foi para a Europa para cuidar dos negócios do Brasil após as crises, do escândalo da Operação Carne Fraca, da delação da JBS e da vacina contra Febre Aftosa.

Foi obrigado, pela lei das negociações, a também se comprometer com a abertura do mercado brasileiro para produtos florestais agrícolas da Europa.

O Brasil é um dos maiores exportadores de carnes, grãos, açúcar, celulose, suco de laranja e café do planeta, segundo o Ministério da Fazenda. Mas, os europeus querem participar do nosso robusto e crescente mercado consumidor com seus produtos, e lógico, o reino dos lácteos deve vir forte por aí.

O setor leiteiro brasileiro vai encarar um poderoso desafio de qualidade, custo e obviamente de subsídios com o que os produtores europeus são privilegiados na atividade do agronegócio.

O Ministro Blairo disse ao Comissário de Saúde da União Europeia, Vytenis Andriukaitis, que sabia que esculacharam o Brasil quando houve a crise da Carne Fraca, dizendo para todos que o Brasil não era confiável em uma carta, dizendo para o Brasil rever a lista de produtos europeus e flexibilizar as exigências para a sua entrada no país.

Na verdade as relações comerciais e negociais do mundo são lados da mesma moeda. Não faremos negócios gigantescos com o mundo sem comprarmos do mundo.

E que se prepare a nossa indústria, que precisa de investimentos e revoluções de produtividade, bem como alívio da carga tributária reveladora da incompetência do Estado em se gerenciar com recursos que não aniquilem a livre iniciativa do Brasil.

Mas, imagine só a pressão da China na busca por reciprocidade comercial com o Brasil.

Para vender bem, precisaremos saber e poder comprar bem. Essa é a lei e vale para o agro também.

Envie seu Comentário