Ponta Porã, Segunda-feira, 23 de abril de 2018
26/09/2015 06h

As casas da mãe Joana - José Alberto Vasconcellos.

Finalmente, a Providência Divina, mandou-nos um JUIZ, foi o bastante: o DOUTOR SÉRGIO MORO (Nosso herói!),

Divulgação (TP)
 
 

Nas sessões do Congresso Nacional (observe que não escrevi “nosso”, porque há dúvidas sobre quem o tal Congresso Nacional da República Federativa do Brasil, na realidade, representa, porque o que temos visto ali -- em todas as reuniões – tanto no Senado como na Câmara dos Deputados, é uma zorra indefinida!

Por imposição do bicameralismo, nas sessões ordinárias, funcionam duas Casas: o Senado e a Câmara dos Deputados, cada uma com seu respectivo presidente; quando a sessão é do Congresso Nacional – as duas Casas fundem-se, tornando uma só assembléia, para apreciar matéria específica, conforme exigência legal. Nessas ocasiões, o presidente do Senado investe-se na condição de Presidente do Congresso Nacional.

Nas sessões ordinárias, quando funcionam o Senado e a Câmara, cada uma das Casas com o seu presidente, temos DUAS CASAS DE MÃE JOANA; todavia, quando as Casas fundem-se para uma sessão do Congresso Nacional, então temos apenas UMA CASA DE MÃE JOANA!

Acredita-se, nesta altura, que o leitor, está curioso, sobre as tais CASAS DA MÃE JOANA, e não é para menos!

Explica-se: todos os dias, nas TV´s, quando assistimos a uma sessão, seja do Senado ou da Câmara, constatamos que tanto os Deputados, quanto os Senadores estão de pé, amontoados defronte à mesa do seu respectivo presidente, enquanto um membro do colegiado esgoela-se na tribuna, tentando dizer alguma coisa que julga do interesse da Nação ou do País.

Enquanto o orador expõe suas preocupações ou sugestões, ninguém presta atenção ao que ele diz. O que se vê – em todas sessões, sem exceção – é um amontoado de parlamentares conversando fiado, demonstrando, cabalmente, que não têm nenhum interesse na função pública que exercem como Deputado ou Senador, a despeito de cada um deles, consumir com uma fortuna, a título de remuneração, acrescida de benesses que fazem arrepiar até bichos que não possuem pelos.

Agem como bonecas enfeitadas, supridas e satisfeitas, instaladas numa vitrine, fazendo poses para os canais TV, a fim de que sejam vistos: mostrados para o Brasil e para o Mundo!

Alheios e desinteressados nos problemas que o povo enfrenta em decorrência das suas ações ou omissões, ocupam-se em aumentar as despesas públicas e planejar novas falcatruas. Praticam com ousada hipocrisia, tudo o que não interessa ao contribuinte que os mantém. Hoje o Legislativo é apenas um almoxarifado de Medidas Provisórias, perdeu a identidade; dele só afloram notícias de procedimentos indecorosos, que denigrem o País e envergonham a Nação!

Finalmente, a Providência Divina, mandou-nos um JUIZ, foi o bastante: o DOUTOR SÉRGIO MORO (Nosso herói!), que tomou sob sua responsabilidade judicante o deslinde da “Operação Lava-Jato”, vem arrancando Pica-pau do oco! Onde se puxa uma pena, sai o Pica-pau inteiro: políticos e empresários empenados e apenados.

Interessante observar, neste ponto, que o desempenho do DOUTOR MORO, indiretamente, vem cobrando brio do Judiciário, até agora omisso e conivente com as inexplicáveis prescrições, que sepultam os processos. Despertos da letargia, espelhando-se, na destemida figura do Juiz Federal de Curitiba, e na sua ininterrupta e proveitosa ação, o Judiciário e o Ministério Público, finalmente, vem fazendo pipocar julgamentos de ladrões mal acostumados e mansos, que envergonham a Nação, tiram o pouco de quem não tem nada, e a esperança que pavimenta os caminhos da vida.

Políticos que sempre tiveram os bens públicos misturados com os seus, aí incluído, por deferência, o “Filho-do-Brasil” -- também conhecido por Brahma -- e mais os escroques que reuniu e treinou, todos com acessos livres aos cofres públicos; nestes últimos tempos, todos vêm mantendo suas pixulecas barbas de molho, depois que o Juiz Sérgio Moro, arregaçou as mangas e, junto com o Ministério Público e a Polícia Federal vem restaurando a moral pública, confinamento meliantes em jaulas corretivas, independentemente, das patentes que ostentam.

O medo que tomou conta dos escroques, tem feito até carecas arrepiar os cabelos! Aliás, falando de careca, temos aí um, que por influência da ação do Dr. Moro, já está vendo um veículo hospitalar mover-se! O motorista, que se fingia de morto, já está desperto. Os tempos são outros!

Enquanto os dias sucedem as noites, e o Dr. Moro não tem dado moleza, nós continuamos a testemunhar a pouca e abusada falta de vergonha do nosso Parlamento, onde as cadeiras são usadas tão só para dormir. A CASA DA MÃE JOANA serve apenas para os bate-papos e sono tranqüilo, enquanto seus titulares esperam por mais vantagens.

21.09.2015 (4786) Membro da Academia Douradense de Letras. (josealbertovasco@yahoo.com.br)

Envie seu Comentário