Ponta Porã, Sábado, 20 de janeiro de 2018
30/04/2016 05h50

Nióbio e a reserva indígena "Raposa Serra do Sol". José Alberto Vasconcellos.

O Brasil detém 98% das reservas mundiais exploráveis do nióbio e o mundo consome anualmente cerca de 37.000 toneladas do minério, totalmente retirado do Brasil.

Por: Tião Prado
 
 

Google: NIÓBIO).

"A questão do Nióbio e a reserva Raposa do Sol. Está explicado, porque tantos interesses internacionais na demarcação da "Reserva Raposa do Sol". Lá existe a maior reserva de diamantes do mundo e também grandes reservas de Nióbio (talvez a maior do mundo).

"Após a demarcação, as terras serão solicitadas pelos índios, como área independente do Brasil, formando um novo país. O governo Lula através do seu ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, ratificou em 2007 a concordância do Brasil com a Declaração dos Direitos dos povos indígenas que concede poderes aos índios para solicitar sua independência. JORGE RORIZ."

"A questão do nióbio. Diga não à doutrina da subjugação nacional/ por RONALDO SCHLLICHTING – 04-102008. O Brasil, durante toda sua história teve as sucessivas gerações de seus cidadãos escravizados pela abominável doutrina da subjugação nacional. Qualquer tipo de riqueza nacional, pública ou privada, de natureza tecnológica, científica, humana, industrial, mineral, agrícola, energética, de comunicação, de transporte, biológica, assim que desponta e se torna importante, é imediatamente destruída, passa cor um inexorável processo de transferência para outras mãos ou para seus "testas de ferro" locais."

Talvez por isso o jornal Folha de São Paulo noticiou, no dia 05 de novembro de 2002: "Lula passou o final de semana em Araxá em casa de CBMM do Grupo Moreira Salles e da multinacional Molycorp."A companhia exporta 95% do nióbio que retira de Minas Gerais e é a maior exploradora do metal no mundo.

O caso é antigo. Por meio de uma ONG , a empresa financiou projeto dos instituto Cidadania, presidido por Luiz Inácio da Silva, inclusive o fome zero, que integra o programa de governo do presidente eleito.

A matéria evidencia uma aliança anterior às eleições presidências entre um político, supostamente de "esquerda" e uma multinacional.

O Brasil detém 98% das reservas mundiais exploráveis do nióbio e o mundo consome anualmente cerca de 37.000 toneladas do minério, totalmente retirado do Brasil.

O minério de nióbio bruto é comprado no garimpo a 400 reais o quilograma. ..........................................até aqui este artigo foi escrito no ano passado, ficando esquecido até hoje, quando o jornal "O Progresso" noticia: "NIÓBIO BRASILEIRO AINDA É EXPORTADO COM PREÇOS ABAIXO DO VALOR REAL. Estima-se, segundo levantamentos de especialistas, que o Brasil perde cerca de US$14 bilhões de dólares anuais na exportação do minério." (sic).

No corpo da matéria hoje publicada (29.04.2016) sobre o nióbio, verbo ad verbum: "Durante a CPI dos Correios, em 2005, o então publicitário Marcos Valério chegou a afirmar na CPI que o dinheiro do Mensalão não era nada comparado ao grosso dinheiro que está sendo ganho com o contrabando do nióbio."

A pesquisa que fizemos no Google, na época, indicava que somente o Canadá dispõe de uma pequena reserva de Nióbio e que o restante do mineral, no mundo inteiro, estava no Brasil. E mais, que embora o Nióbio fosse brasileiro, seu valor era definido em Londres, na Inglaterra.

Como princípio, nunca deixei um artigo sem conclusão, todavia e talvez por força de algum "trabalho", esqueci-me totalmente da pesquisa que havia feito no Google, e o artigo produzido em parte ficou esquecido até hoje, quando a questão do NIÓBIO surge como uma locomotiva louca e fumarenta na curva da "Estrada vermelha".

Estrada vermelha da corrupção que nos leva àquele longínquo final de semana: "Lula passou o final de semana em Araxá em casa de CBMM do Grupo Moreira Salles e da multinacional Molycorp.". Esta informação colhida no Google combina em gênero, número e gráu com o que disse Marcos Valério, por ocasião do Mensalão, hoje estampado na noticio de O Progresso: "Naquela época, segundo a denúncia, o ex-Ministro da Casa Civil, José Dirceu (PT) estava repassando uma mina de nióbio no Amazonas aos bancos. O assunto acabou caindo no esquecimento."

O Nióbio ressurge como moeda na corrupção sem limites, que o PT implantou no País e, certamente levará mais uma quadrilha aos pés do juiz federal Sérgio Moro, nosso herói, laureado como o melhor, em cerimônia internacional, realizada em Nova Iorque, nos Estados Unidos da América.

Chega de miudezas como sítio em Atibaia ou Triplex no Guarujá, vamos dar um novo começo, iniciando pelo almoço do sr. Luiz Inácio Lula da Silva em Araxá (MG)´, com o pessoal do Grupo Moreira Salles e da multinacional Molycorp.

E bingo!

29.04.2016 (4.666) Membro da Academia Douradense de Letras.

(josealbertovasco@yahoo.com.br).

Envie seu Comentário