Ponta Porã, Sábado, 20 de janeiro de 2018
06/08/2016 05h50

Um plebeu no reino da "BUFUNFA." - José Alberto Vasconcellos

Enganados na sua simplicidade, elegem, inocentemente, um desconhecido, incompetente e irresponsável, para o mais elevado cargo público

Por: Tião Prado
 
 

Quando um sujeito não freqüenta a escola; nunca leu um livro, nem mesmo o do Jeca Tatu; passou a infância e a puberdade vendendo pipocas nos pontos de ônibus; e depois, já como adulto, na qualidade de peão de fábrica, manobrando um torno mecânico perde um dedo da mão e ganha uma aposentadoria antes dos trinta anos, que lhe possibilita organizar um sindicato, e com os sindicalizados fundar um partido político: o PARTIDO DOS TRABALHADORES, não deixa de ser um grandioso feito, é a realização de uma meta na vida.

Ainda criança, como sempre gostou de contar, veio de Pernambuco para São Paulo num "pau-de-arara". Com um orgulho suspeito, detalha a miséria em que viveu como nordestino. Diz entender de pobreza e revela, como as dificuldades vividas ensinaram-lhe a enfrentar as agruras do mundo, e despertar-lhe o interesse pela política. Política que deveria compadecer-se com a pobreza dos brasileiros: uma população com milhões de miseráveis que passam fome!

A pregação de novos tempos para a política, encontra e seduz ouvintes; pessoas marginalizadas e ressentidas, vivendo na escuridão da ignorância, acham que a prosopopéia proferida por alguém que se diz emergido da pobreza, como um "Novo Messias, revelando que sua vivência miserável conferiu-lhe as condições para o exercício da política, como pessoa que sabe das coisas. Logra pessoas simplórias que se engraçam com o artista.

A falta de informação ou o engodo por informações manipuladas, truncadas e mentirosas, levaram as pessoas simples e crédulas, carentes por mudanças, a acreditar que esse político, com suas promessas, poderia mesmo minorar-lhes a aflição, de nunca terem tido condições para suprirem as necessidades básicas. Acreditam serem verdadeiros os lero-leros demagógicos do artista, que se apresentava como o salvador da Pátria. O povo passa a ver o demagogo, como uma táboa de salvação, e nele investem seus votos, na esperança de dias melhores.

Enganados na sua simplicidade, elegem, inocentemente, um desconhecido, incompetente e irresponsável, para o mais elevado cargo público: Presidente da República Federativa do Brasil, absolutamente alheio a importância e a responsabilidade do cargo.

Na Presidência da República, tumultua a administração pública, fomenta a prevaricação e o desvio do Erário, com a promessa mirabolante de obras. Sua eleição deixou boquiaberta a etnia política brasileira, formada por velhas raposas escorregadias, até então alojadas no poder da República, onde passaram a vida mentindo, roubando e majorando impostos. Com esse nefasto e reiterado "modus operandi" contra o povo, ajudaram por um descuido, a eleger um demagogo comunista, hipócrita, predador e megalomaníaco, com o qual, para manterem as vantagens escusas de sempre, sem nenhum escrúpulo associaram-se, e juntos, lançaram o Mensalão e depois, o Petrolão. Fraudes que vêm estarrecendo o Mundo, pelo montante dos bilhões de dólares roubados de empresas públicas.

Destrói a indústria e o PIB; no vareja faz piorar a vida de quem já não possuía nada e ainda perde o emprego. Impressiona o Mundo, o elevado número de políticos corruptos no Brasil e o grande número de empresários desonestos. Uma multidão deles, muitos bilionários, já estão na jaula corretiva.

Assim, eleições após eleições, gastando apenas a saliva, sem apresentar as obras e os serviços prometidos, vai consolidando-se como líder, protegendo-se com mentiras e reelegendo-se com os votos dos simplórios, cevados com o "Bolsa família", manipulados e crédulos em Papai Noel!

O ex-presidente da República, Luiz Inácio LULA da Silva, PROVINCIANO de mentalidade estreita e MEGALÔMANO na ambição, de abertura lançou o programa "Fome Zero" que até impressionou alguns governos estrangeiros, todavia em pouco tempo o tal programa deixou a ribalta pelas portas dos fundos: sumiu! Outro grande feito dele, foi destroçar a ortografia da língua brasileira, sem nem saber como se escreve "pára-raios".

Conseguiu reeleger-se, assim como elegeu sua sucessora, hoje na berlinda com um "impeachment" em curso. Revelou-se incapaz para governar: sua real preocupação, o tempo todo, foi fazer caixa para reeleição, amparar a vadiagem, empregando os "cumpanhêros" ; e indenizando ou aposentando os comunistas "escurraçados" pelas Forças Armadas em 1964. Calcula-se que mais de 30 mil desocupados, estão nas folhas de pagamento da União, sem nenhum concurso (e tampouco trabalho). Só no Gabinete da "presidenta", estão lotados mil e quatrocentos "funcionários"

De si próprio, S.Exa. Luiz Inácio LULA da Silva, em entrevista ao The Guardian: "Eu fui o melhor presidente da história do Brasil. É quase uma missão impossível tentar repetir esse desempenho. Eu teria de competir contra mim mesmo." (Veja, ed. 13.07.2016, pág.42).

17/19.07.2016 (4938) Membro da Academia Douradense de Letras.

(josealbertovasco@yahoo.com.br)

Envie seu Comentário