Ponta Porã, Quarta-feira, 17 de janeiro de 2018
15/08/2016 05h40

Produtor rural é a bola da vez por Nei Magalhães

Os Produtores Rurais acumulam perdas irreparáveis.

Por: Tião Prado
 
 

Os Deputados Estaduais da "base" do Governador, certamente recebendo orientação do Executivo aprovaram nesta semana mais responsabilidades externas ao FUNDERSUL o famigerado FUNDO que fora criado com destinação apenas à construção e manutenção de Rodovias Estaduais.

Este Imposto aprovado e "aplaudido" pelos deputados, no inicio do Governo Zeca, como um "saco sem fundo "pois cada governador que entra promove aumentos em suas alíquotas. O idealizador de mais este saque contra os produtores de alimentos foi o então Secretario de Fazenda do MS- Paulo Bernardo- agora preso pela Operação "lava jato" por roubo contra os funcionários públicos quando Ministro do Governo Lula. Tendo como comparsa a sua companheira atual senadora Gleise Hoffman então Superintendente ou qualquer cargo semelhante na mesma secretaria do MS. Oneraram os produtos primários cobrando em duplicidade com o ICMS, a produção de Soja – Milho – Bovinos para o abate, madeiras e demais produtos alimentícios que transitem nas esburacadas Rodovias MS.

Na época a FAMASUL entrou na Justiça estadual e perdeu a questão, recorrendo a instancia superior perdemos novamente.

Não devo e nem vou comentar o que me passa pela "mente" neste instante. Era tempo de PT no Governo do MS. O Zeca eleito com apenas UM companheiro Deputado na Assembléia conseguiu por Oito anos aprovar tranquilamente seus projetos, um milagre !!!

Paulinelli/PMDB assumindo no lugar de Zeca, ao contrario das promessas de Campanha em diminuir os custos de produção dos alimentos básicos continuou a cobrar o FUNDERSUL, e ainda aumentando gradativamente seus valores durante os oito anos de mandato.

As Estradas de Produção continuaram cada vez mais esburacadas e intransitáveis.

A Operação "lama asfáltica" agora aí está comprovando estes fatos. Inclusive com o ex- Deputado Federal Giroto, seu Secretario de Infra estrutura, investigado, indiciado e "preso" juntamente com o principal Empreiteiro das obras estaduais um tal de Amorim.

Parabéns aos Promotores e investigadores do Ministério Público e Policiais Federais da OPERAÇÃO LAMA ASFALTICA, um fato inédito e elogiável no nosso Estado. E a Operação FAZENDAS DE LAMA está em andamento.

Agora, o atual Governador Azambuja e seus companheiros na Assembléia Legislativa durante estes dezenove meses iniciais de Mandato gostaram tanto desse Imposto do PT que até já promoveram aumentos nas alíquotas herdadas do governo anterior e Decretando novas atividades e obrigações abrindo um leque de outras atuações ao FUNDERSUL, que com certeza vão poder incluir no Orçamento de 2017 maiores gastos, obrigando os Produtores Rurais e outros novos setores como Comercio e Indústria a pagarem maiores Impostos.

E paralelamente a essas atuações maléficas dos governantes, os Produtores Rurais do MS principalmente aqui do Sul/Fronteira continuam abandonados, Sem Estradas de Produção, Sem Pontes, e Sem um Órgão Regional responsável pela vias que devem transportar os Insumos e promover o escoamento das Safras. O DERSUL – Departamento Estadual de Estradas de Rodagem foi extinto no Governo Zeca e com Pucinelli os serviços de manutenção "dizem que foram terceirizados". Ficamos literalmente abandonados, nas mãos de EMPREITEIROS inescrupulosos.

Quase na metade de seu mandato o atual governador parece não ter pelo menos os dados estatísticos sobre o trafego e transito das Rodovias estaduais de produção de grãos e carnes, agindo exatamente como os executivos anteriores.

Onde existir "interesse pessoal ou dos companheiros partidários "é ali que as estradas devem ser construídas. E como este extremo Sul Fronteira do MS não tem prestigio nem representação política eficiente, ficamos esquecidos.

Os Dirigentes Sindicais Rurais não tem a quem recorrer.

Um bom exemplo sobre a situação exposta é a Rodovia Estadual MS sem pavimentação que liga internamente o município de Aral Moreira com Amambai, em uma macro região altamente produtiva em grãos e bovinos de corte. Como não existem mais NEM Mapas Rodoviários do MS não posso afirmar se é a MS 485 ou MS 285. No inicio do Gov. Azambuja a Ponte sobre o córrego Canguiri caiu. Decorridos sessenta dias foi construída uma Nova Ponte com capacidade para QUINZE toneladas, e que durou só quarenta e um dias e caiu de novo.

Hoje fazem perto de 233 Dias que somados aos 60 anteriores perfazem um total de 293, com a Rodovia está interditada Sem a referida Ponte, e por falta de manutenção a erosão danificou toda sua extensão, o que significa prejuízos para o Estado como um todo. Comprova-se que durante mais da metade desse Governo que completa 583 dias Sem cumprir ações obrigatórias nesta região- Os Produtores Rurais acumulam perdas irreparáveis.

*R.Ney Magalhães

*Produtor Rural em Amambai e Dourados.

Fundador do Sindicato Rural de Amambai e co-Fundador da FAMASUL.

Foi Presidente do S. Rural de P.Porã e Delegado Federal da Agricultura no MS.

Envie seu Comentário