Ponta Porã, Quarta-feira, 17 de janeiro de 2018
05/08/2014 07h50

Leia a coluna de Clóvis Segóvia

Numa época de Avante PM/PC/FN!

Divulgação (TP)
 
 
Clóvis Segóvia 

Foto: Arquivo Clóvis Segóvia

Foto: Arquivo

Numa época de eleição, em que se vê os engravatados dizendo “avante” e “vamos que vamos”. Onde parecem estarem felizes com o quadro atual de hoje, onde não tocam em assuntos importantes, e ficam só de balela, tirando fotos com pessoas humildes dizendo “nosso povo, nossa gente”. Aaah! Vá te lascar cara! Vocês não tem credibilidade alguma. Nossos irmãos começaram a morrer com as ondas de assaltos em Ponta Porã. E vocês vem com essa historinha de “nosso povo, nossa gente”. Pior que a frase “avante” pegou no meio dos engravatados, que tentam a todo custo arrancar votos dos eleitores, mas ainda bem que eu sei quem é quem.

Numa época de eleição, em que o nosso 4° Batalhão tem apenas 114 homens, e se dividem em tarefas, como atuar em outras cidades vizinhas, serviços no presidio masculino, feminino, fórum, administrativo, aí tem os caras que estão de férias, estão de folga... e quem é que vai pra rua? Onde só Ponta Porã tem 85 mil habitantes, sim, oitenta e cinco miiiiil, habitantes. E com o descaso do Poder Publico as ondas de assaltos seriam inevitáveis. Não ter nos mandado efetivo considerado nos últimos anos, e não ter dado estrutura, acabou gerando toda essa crise que estamos vivendo. E eles ainda insistem a todo custo arrancar votos dos eleitores, mas ainda bem que eu sei quem é quem.

Numa época de eleição, em que pessoas tem tido suas casas invadidas por bandidos fortemente armados, onde são agredidas covardemente, e tem seus bens materiais furtados. Onde empresário leva coronhadas seguidas em sua cabeça, e é ameaçado de ter seu dedo cortado. Onde um menino de 10 anos é ameaçado com uma pistola na cabeça para entregar seu celular. Onde um jovem é espancado no portão de sua casa, só para entregar seu celular e boné. Onde mulheres são derrubadas brutalmente de suas motos, e levam tiros perto do ouvido para entregar seu único transporte. E eles ainda insistem a todo custo arrancar votos dos eleitores, mas ainda bem que eu sei quem é quem.

Numa época de eleição, de muita poluição sonora, engravatados sínicos, jingles ridículos e uma sujeira de santinhos. Me aparecem muita poluição nas redes sociais sobre assaltos, principalmente no Facebook, lá é possível ver de manhã, de tarde, e a noite, todo e qualquer tipos de relatos sobre a violência. Me aparecem ladrões sínicos, sem escrúpulos, sem pudor. Me aparecem “cidadãos” ridículos que são contra a Manifestação que pede por mais segurança. Me aparece uma sujeira de sangue de um menino, vitima de um cruel latrocínio. E eles ainda insistem a todo custo arrancar votos dos eleitores, mas ainda bem que eu sei quem é quem.

E foi numa época de eleição, que nossos heróis, nossos bravos guerreiros, que mesmo sem efetivo, sem estrutura, abandonados pelo Poder Publico. Vestem suas honrosas fardas, e numa operação digna de toda honra, capturam uma quadrilha, de bandidos, vagabundos, ladrões, safados, e acima de tudo, um elemento LATROCIDA. O cara que matou nosso irmão André, está atrás das grades, e que fique por lá, por muito tempo, por anos, por décadas. Numa época de eleição, que aqui em Ponta Porã, ninguém mais quer ouvir “avante” ou “vamos que vamos” para os engravatados. Queremos sim ouvir “avante” e “vamos que vamos” PM/PC/FN... e por aí vai.

Que Deus estenda Sua Bondosa Mão em nossa cidade, que derrame Sua Paz, e que abençoe grandemente nossos policiais heróis.

Um grande abraço a todos!

Por: Clóvis Segóvia, estudante de Publicidade, Comediante Stand Up, e colunista dos sites: Che Fronteira e Pontaporainforma. E do JORNAL REGIONAL. Toda segunda, aqui!

Envie seu Comentário