Ponta Porã, Sábado, 21 de abril de 2018
08/06/2015 06h

Ajuda bem vinda por Waldir Guerra

Felizmente alguém de fora, com seu exemplo, nos ajuda a pormos um fim à corrupção, tanto no nosso futebol, como na política partidária.

Divulgação (TP)
 
 

Até que enfim alguém conseguiu acabar com a corrupção no futebol mundial. Para que isso acontecesse foi preciso que as autoridades do país mais desenvolvido e poderoso deste planeta, os Estados Unidos, tomassem a frente nessa empreitada.

Se os americanos fizeram isso por estarem magoados porque foram preteridos na escolha do Catar para sediar a Copa do Mundo de 2022, ou então, para mostrar seu descontentamento pela escolha da Rússia na próxima Copa, não importa. Importa que alguém fez isso – e olha, os americanos nem piscaram; vão em frente e continuam prendendo gente importante.

A FIFA, entidade máxima que coordena esse esporte, possuía tamanho poder mundial que impunha suas regras em quase todos os países. Para os que não lembram aqui mesmo no Brasil, para realizar a Copa do Mundo de 2014, a FIFA exigiu, além da isenção de impostos, a construção de estádios novos de alto padrão. Não ficou por aí somente, não; exigiu gastos faraônicos para criar uma boa mobilidade urbana. E fiscalizava as obras constantemente como se as coisas fossem propriedade dela.

Certamente o caso mais emblemático foi a exclusão do estádio do São Paulo Futebol Clube, o Morumbi, para os jogos da Copa. Dizem que foi birra do Ricardo Teixeira com os dirigentes do São Paulo.

Somente birra, não. Agora, com as denúncias dos americanos contra os dirigentes da FIFA podemos aguardar que a verdade deverá ser bem mais amarga – para não dizer, bem mais cara.

Sim, mais cara, porque nos custou a brincadeira da construção da Arena Corinthians. (não sou daqueles que acreditam no azar dos corintianos que não conseguem se dar bem naquele estádio por conta disso, mas vai que...).

Lembrando de coisas mal feitas que podem dar azar, nunca é demais alertar os que vibraram com o processo na FIFA por ter dado uma trégua no da Lava Jato aqui no Brasil, esses que ponham as barbas de molho. Pense bem, este processo está sendo montado na Suíça e é lá que está grande parte do dinheiro desviado da Petrobras. Tudo indica que a Suíça vai abrir o jogo mais do que costuma até porque ela tem uma afinidade grande com os EEUU. Se isso acontecer vai ser um Deus nos acuda pra esses que torcem pra melar a Lava Jato.

Tem mais; o processo contra os dirigentes da FIFA começou nos Estados Unidos e é lá que um dos primeiros desvios de recursos da Petrobras aconteceu. Foi na compra e venda da destilaria de Pasadena que gerou um prejuízo de mais de um bilhão de dólares para a empresa.

Até agora o governo americano ainda não se meteu na encrenca porque o dono da destilaria era uma firma holandesa e a compradora uma empresa brasileira, mas vai que... por exemplo, descubram que esse negócio tenha prejudicado algum interesse americano, aí a coisa vai ficar ruim pros envolvidos na Lava Jato. Ruim porque, no mínimo, a alta cúpula da Petrobras vai ter que se explicar, não aqui, mas lá com eles.

Minha impressão é que esse processo dos americanos contra os dirigentes da FIFA vai ajudar a melhorar não somente o esporte mais popular do mundo, o futebol, mas servirá de exemplo para que aqui consigamos acabar com negociatas nas coisas de interesse público.

Felizmente alguém de fora, com seu exemplo, nos ajuda a pormos um fim à corrupção, tanto no nosso futebol, como na política partidária.

  • Membro da Academia Douradense de Letras; foi vereador, secretário do Estado e deputado federal. wguerra@terra.com.br

Envie seu Comentário