Ponta Porã, Sexta-feira, 27 de abril de 2018
06/09/2017 13h

Artigo: Pai nosso que estás no céu...

Por: Oziel Gustavo Marian

Divulgação: Dora Nunes
 
 

Esta é a forma que Jesus usou para iniciar a oração. Há outras formas que também são usadas: pai amado, pai querido, pai do céu, Deus amado, querido Deus... É a forma de estabelecer contato. Quando queremos falar com alguém, vamos até ele, ou ligamos para ele e o chamamos pelo nome. Portanto, quando iniciamos dizendo Pai Nosso que estás no céu ou outra forma qualquer, é como bater na porta da sala de Deus e pedir para entrar. Com isto também, o destino da oração esta especificado, é ao pai que está no céu. Esta delimitação é importante, pois a oração não deve ser feita a ninguém mais além de Deus. Nem para anjos, nem para objetos e nem para pessoas, estejam elas vivas ou mortas.

Até porque não faz sentido! Pois os anjos são seres espirituais enviados por Deus para cuidar e proteger, mas eles não possuem autonomia e nem poder sobre todas as coisas; os objetos não ouvem, não vêem, não sentem e não fazem nada; os vivos não tem poder e não escutam nossas orações secretas, ou silenciosas; os mortos não podem ouvir, ver, sentir e nem fazer nada.

O único que consegue saber o que realmente estamos precisando, o único que tem o poder para nos ajudar e a autonomia para decidir é Deus. Além do mais, se podemos falar diretamente com Deus, porque falar com outros? Estas questões introdutórias são importantes, pois irão determinar se nossa oração esta sendo ouvida e conseqüentemente atendida.

Por fim, mais duas questões importantes sobre esta introdução: Primeira – Chamar Deus de pai (paizinho)! Este é um conceito introduzido por Jesus. Pois até então, Deus era um ser supremo, intocável e quase inacessível. Chamar Deus de pai, não tem a ver apenas com um termo, ou uma forma de chamar a Deus, mas com o fato de podermos nos relacionar com Deus de maneira tão próxima e íntima, quanto pai e filho.

A segunda questão – quem pode chamar Deus de pai? Em João 1.10-13, o Apóstolo diz que aos que crêem em Jesus, Deus dá o direito de chamá-lo de pai. Todos somos criação de Deus, mas filhos, somente aqueles que nascem espiritualmente. O novo nascimento cria em nós uma nova dimensão – a espiritual; deixamos de ser apenas biológicos e emocionais, para sermos biológicos, emocionais e espirituais. Algumas pessoas experimentam este novo nascimento, de forma muito rápida e intensa. Outros experimentam de forma mais sutil, como um processo de longo prazo. Mas ambos experimentarão mudanças na vida! Não serão perfeitos, mas serão diferentes. E a maior diferença de todas, é que passam a ser herdeiros de Deus e podem chamá-lo de Pai Nosso que estas no céu.

Que Deus (o Senhor), te guarde e te abençoe!

Oziel Gustavo Marian – ozielmarian@gmail.com

Comunidade Evangélica de Confissão Luterana em Ponta Porã

Rua Clodomiro Novaes, 182, Ponta Porã-MS.

Telefone 67-3431-0311 – e-mail: ieclbpontapora@bol.com.br

Envie seu Comentário