Ponta Porã, Segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018
16/01/2018 06h20

Diretora elogia reforma de escola da Capital feita por detentos

"Perfeito. Eles são ótimos, respeitosos e super caprichosos. Aliás, o capricho com que eles estão fazendo as coisas é surpreendente", afirmou a diretora.

Correio do Estado
 
 
Escola Aracy Eudociak está em obras desde novembro de 2017 - Foto: Agepen/Divulgação. Escola Aracy Eudociak está em obras desde novembro de 2017 - Foto: Agepen/Divulgação.

Nona escola estadual de Campo Grande a passar pelo programa de reforma por detentos do regime semiaberto, as salas de aula do colégio Aracy Eudociak, do Jardim Tijuca, devem ficar prontas antes mesmo do início das aulas, em fevereiro.

A diretora Gisele Maria Bacanelli aprovou e enalteceu o trabalho dos presos pelo programa "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", por meio de parceria entre Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, da Secretaria Estadual de Educação (SED) e da Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen).

"Perfeito. Eles são ótimos, respeitosos e super caprichosos. Aliás, o capricho com que eles estão fazendo as coisas é surpreendente", afirmou a diretora.

Em novembro do ano passado, os presos deram início aos trabalhos de revitalização da escola. Entre as ações estão a reparação das instalações elétricas e hidráulicas, montagem de forro em todas as salas de aula, readaptação da cozinha e a construção de uma biblioteca nova para a comunidade.

"A nossa maior preocupação era com as salas de aula, mas o serviço já está bem adiantado nelas. A previsão de entrega das salas é dia 20 de janeiro, ou seja, bem distante do início das aulas que é somente no dia 15 de fevereiro", comentou Bacanelli.

A diretora afirmou ainda que mesmo com o prazo estipulado para entrega em 28 de fevereiro, não se descarta a possibilidade da escola ficar pronta antes. "Esse período de chuvas tem atrapalhado um pouco, mas mesmo assim já está quase tudo pronto. A cozinha está praticamente finalizada e a biblioteca, que nem tínhamos, já está sendo coberta", comentou a diretora.

TRABALHO DE PRESOS

O programa "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade" consiste em utilizar a mão de obra de detentos do Centro Penal Agroindustrial da Gameleira para reformas em escolas estaduais.

Os materiais de construção são adquiridos com um fundo formado pelo desconto de 10% do salário de cada preso da Capital que trabalha no convênio. O programa já revitalizou oito escolas estaduais de Campo Grande e economizou aos cofres públicos aproximadamente R$ 5 milhões.

Na escola Aracy Eudociak, 25 detentos do regime semiaberto prestam serviço. Eles chegam ao local em transporte fornecido pelo Estado por volta das 7h e trabalham até as 17h, quando retornam para o Centro Penal.

Envie seu Comentário