Ponta Porã, Segunda-feira, 22 de janeiro de 2018
07/12/2017 17h50

28 pessoas foram presas em enfrentamento policial ocorrido em Pedro Juan Caballero

Dos presos, 12 são de nacionalidade brasileira

Por: Tião Prado
 
 
Armamento de uso restrito foram apreendidos na ação.
Foto: Divulgação Armamento de uso restrito foram apreendidos na ação.
Foto: Divulgação

Na manhã desta quinta-feira (07), uma força tarefa formada por homens do exército e da polícia Nacional do Paraguai sob o comando dos promotores Hugo Volpe, Alicia Sapriza e o juiz de direito Paulino Escobar Garay, invadiram uma propriedade rural na região de Cerro Cora'i, na cidade de Pedro Juan Caballero, fronteira com Ponta Porã, Brasil, quando foram recebidos a tiros de pistola e fuzil pelos homens que estavam ocupando o local, fazendo segurança para uma grande quantidade de contrabando de cigarros, que seria trazido para o Brasil.

Após o confronto, os homens feridos foram encaminhados para o hospital de Pedro Juan Caballero e os agentes da lei tomaram conta do local.

Após balanço geral, divulgaram o resultado parcial da ocorrência policial, onde 28 pessoas foram detidas, sendo 16 de nacionalidade paraguaia e 12 brasileiros. De acordo com a promotora Alicia Sapriza ainda está sendo checado as ligações dessas pessoas com facções criminosas do Brasil. No local foram apreendidos duas pistolas, uma Taurus e uma Gericó com dois carregadores cada uma, um fuzil M4 calibre 5.56 mm com dois carregadores, 16 aparelhos de celular de distintas marcas, 1 kg de maconha, 09 carretas carregadas de cigarros e 14 automóveis de diversas marcas.

Com relação ao enfretamento, a promotora fez questão de salientar que a força tarefa estava preparada para isso, porque pelo trabalho que foi feito pelo setor de inteligência todas as informações que o grupo iria oferecer resistência à ação já tinham sido obtidas.

Quando questionado a respeito da propriedade do carregamento de cigarros, se é do presidente Horácio Cartes, as autoridades informaram: "Não podemos dizer que sim, porque esse tipo de mercadoria é vendido no comércio e foram encontrados diversas marcas sendo que uma terceira pessoa pode ter comprado para levar para o Brasil, onde iria comercializar" , disse a autoridade policial.

"Neste momento estamos lacrando as cargas e a partir dai teremos tempo para investigar a origem das mercadorias, se só tem cigarros dentro dessas carretas ou se também existe outros tipos de drogas" concluiu a promotora Alicia Sapriza.

Envie seu Comentário