Ponta Porã, Terça-feira, 23 de janeiro de 2018
28/12/2017 09h50

Ponta Porã: Sapateiro pode ter falecido de causas naturais e não por assassinato

A orelha que teria sido decepada, na verdade, pode ter sido causada por mordida de animal

Por: Dora Nunes
 
 
Foto: Tião Prado - Pontaporainforma Foto: Tião Prado - Pontaporainforma

A redação do site Pontaporainforma, ao obter informações de que o sapateiro Felipe Caballero teria falecido de morte natural e não por assassinato, procurou a delegada Sueili Araujo Lima, que está respondendo interinamente pelo caso, para obter maior esclarecimento do caso, já que o sapateiro era pessoa muito querida no bairro quem que residia, Bosque Carandá, em Ponta Porã.

Inicialmente, o caso era de assassinato por arma branca até com decepação da uma das orelhas, porem, agora, há a desconfiança de que Felipe Caballero foi vítima de um infarto.

A delegada Sueili Araujo Lima informou que uma equipe da Polícia Civil juntamente com dois peritos criminais e mais a Polícia Militar, estiveram no local onde a vítima estava morta e perceberam que o sapateiro não possuía nenhuma outra lesão no corpo, alem da dilaceração da orelha. Também não havia sinais de luta, dessa feita, a polícia trabalha com algumas hipóteses de investigação, não descartando homicídio e nem uma morta por causa natural seguida de ataque de algum animal. "As lesões eram bastante irregulares e somente a perícia poderá dizer qual realmente foi a causa da morte, mas, em princípio, não descartamos nenhuma hipótese", afirmou a delegada durante a entrevista.

Ainda sobre o local dos fatos, a delegada lembrou que não havia sangue espalhado, e sim, concentrado somente na região da cabeça do senhor Felipe Caballero, sendo que foi feito toda uma varredura na residência, encontrando um cachorro que também tinha marcas de sangue. Em verificação, não foi constatado vestígio de sangue em nenhuma faca encontrada no local.

Falando sobre o laudo da perícia que apontará a real causa da morte do sapateiro bem como o que foi utilizado, a delegada disse que o prazo é de 10 dias para esse laudo ser encaminhado para a delegacia.

Sobre como era a vida do sapateiro Felipe Caballero, a delegada disse que as informações apontam que ele não morava sozinho, mas que no momento, estava só. apresentava um histórico de depressão e tomava vários medicamentos, tanto que cerca de 8 a 10 caixas de medicamentos de uso controlado foram visualizados na residência.

Para concluir o inquérido, a delegada tem 30 dias prorrogáveis por mais 30. Finalizando a entrevista, a delegada Sueili Araujo Lima ressaltou que se tiver alguma testemunha que tenha visualizado alguma coisa acerca desse caso, que possa ser relevante, que compareça a delegacia, tanto que imagens de segurança da localidade já estão sendo recolhidas para verificação de todas as hipóteses. "Faremos de tudo para elucidar esse caso, devido a complexidade e que não fique nenhuma dúvida do que realmente aconteceu", afirmou a delegada.

O CASO

Felipe Caballero, de 70 anos, foi encontrado morto na tarde de ontem, dia 27, em sua residência localizada na rua Ladário no bairro Carandá Bosque em Ponta Porã.

Após a constatação de sua morte, a polícia realizou os procedimentos de praxe e o corpo foi liberado para os familiares. A empresa Interpax ficou a cargo de arrumar o corpo e organizar o velório.

Envie seu Comentário