Ponta Porã, Segunda-feira, 21 de maio de 2018
23/01/2018 06h

Dilma e Olívio Dutra divergem sobre "plano B" à candidatura de Lula

Para Dutra, "campo democrático já tinha que ter vindo construindo alternativas". Já para Dilma, a discussão serve apenas para "mascarar o golpe".

Congresso em Foco
 
 
Foto: Ricardo Stuckert / Instituto Lula Foto: Ricardo Stuckert / Instituto Lula

O ex-governador do Rio Grande do Sul, Olívio Dutra, e a presidente cassada, Dilma Rousseff, deram declarações divergentes sobre um possível "plano B" à candidatura de Lula à Presidência nesta segunda-feira (22). Ao participar de manifestação na Vila Campesina, na capital gaúcha, Dutra afirmou ao jornal O Estado de S. Paulo que "o campo democrático e popular já tinha que ter vindo construindo alternativas", mas afirmou que o foco no momento é o julgamento de Lula. Já Dilma afirmou que a discussão sobre um "plano B" a Lula é uma "tentativa de mascarar o golpe", comparável aos pedidos para que ela renunciasse antes de sofrer o processo de impeachment em 2016. O julgamento do recurso em segunda instância da condenação de Lula pelo juiz Sérgio Moro está marcado para amanhã quarta-feira (24).

Dutra afirmou ao Estadão que as manifestações não giram apenas ao redor do apoio ao ex-presidente Lula, "mas pelo resgate da democracia". Questionado sobre um nome alternativo ao petista, o ex-governador gaúcho afirmou que a questão no momento é o julgamento, voltando o foco para o poder Judiciário, que avalia ter se mostrado tendencioso.

Do outro lado, Dilma comparou as abordagens sobre um "plano B" com os pedidos para que renunciasse durante o processo de impeachment que sofreu em 2016. "Essa discussão sobre o plano B é igual a discussão sobre ‘renuncie, presidente’. Pediam, ‘renuncie, presidente, é um gesto de grandeza’. Gesto de grandeza nada. É a tentativa de mascarar o golpe", disse a petista.

A bancada do PT já afirmou que Lula será candidato à revelia da decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS), afirma que Lula está sendo injustiçado, condenado em um processo "sem provas". "A nossa decisão de que o presidente Lula será candidato não depende da decisão do Tribunal. Nós temos uma interpretação da lei que diz que qualquer cidadão pode ser inscrito como candidato. Cabe a quem questionar posteriormente impugnar, mas o Lula será candidato independente da decisão que o Tribunal venha a tomar, porque a lei nos concede, nos permite fazer isso, e nós estamos anunciando que faremos", disse.

A bancada petista deverá comparecer em peso à capital gaúcha para acompanhar o julgamento, afirmou Pimenta na semana passada. "Já tem cinco dos sete senadores confirmados. Dos deputados, já estão 43 confirmados. Acredito que serão em torno de 50 parlamentares", estimou. "Esperamos a presença forte de militantes não só do Rio Grande do Sul, mas de todo o Brasil. A nossa expectativa é que nos dias 23 e 24 nós tenhamos um contingente importante de pessoas em Porto Alegre", contou.

Envie seu Comentário