Ponta Porã, Quarta-feira, 17 de janeiro de 2018
09/09/2017 05h50

Malandragem "Democraticamente" institucionalizada por José Alberto Vasconcellos

Enquanto um munícipe é multado por estacionar na calçada, caminhões com carretas transportando mais de CEM TONELADAS, trafegam tranquilamente.

Divulgação (TP)
 
 

Os Vereadores, até as criancinhas dos Centros de Educação Infantil (CEINS) sabem, que eles, investidos sob compromisso na função, representam o povo. Acompanham o trabalho do executivo, ouvem e apresentam sugestões administrativas, indicam a necessidade de providências em áreas críticas e serviços reclamadas pelos contribuintes; fiscalizam a arrecadação e a aplicação do dinheiro arrecadado com os impostos e os repasses do Estado e da União, consoante determinam as respectivas Constituições.

O Executivo representa a pessoa jurídica de direito público interno — o município — quando assume o cargo, jura cumprir e fazer cumprir as leis que disciplinam o funcionamento administrativo do município. O Prefeito é o responsável, civil e criminalmente, pelo patrimônio do município, constituído de imóveis, móveis e quaisquer outros bens que compõem o patrimônio público municipal e por esse patrimônio responde perante a justiça, caso haja representação movida por quaisquer dos munícipes.

O Judiciário, ouvido o Ministério Público, analisa e julga as contendas que possam surgir no curso da administração municipal, além de atender outras atribuições civil e criminal, que lhes são peculiares. Observe que o Judiciário e o Ministério Público são órgãos do Estado, independentes entre si. Claro que há, também, o Judiciário e o Ministério Público federal.

Tem-se, ainda, a Defensoria Pública, órgão também estadual, que executa a função advocatícia, em favor daqueles que não possuem recursos para contratar um advogado, que lhe defenda o direito que julga possuir.

Estabelecido esse prólogo, analisemos a situação em que se encontra o douradense: paga todas as despesas do prédio da Câmara Municipal, onde estão os gabinetes dos 19 (dezenove) vereadores. Paga os proventos dos 19 (dezoito) vereadores e dos funcionários de carreira encastelados na Câmara Municipal; paga salário para 152 (CENTO E CINQUENTA E DOIS) ASSESSORES, sendo OITO para cada um dos Veradores. Evidente que ainda há outras despesas: como o tradicional cafezinho e múltiplas mordomias, todas engajadas na verba repassada pelo executivo ao legislativo, o DUODÉCIMO.

O contribuinte PAGA UM SERVIÇO DE PRIMEIRA, mas não tem nem um de TERCEIRA. Funcionam as lombadas eletrônicas, a Câmeras instaladas nas esquinas, a fiscalização relacionada com os estacionamentos de veículos; a fiscalização da Agetran para, junto com as outras arapucas, lançar multas a torto e a direita. Restam ainda, a pavimentação urbana toda "emperebada" ou com crateras; centenas de lombadas transversais (obra prima da administração do PT), sem pintura para surpreender o motorista; não há SEMÁFOROS PARA PEDESTRES em lugar nenhum, funcionando ou simplesmente inexistentes.

Enquanto um munícipe é multado por estacionar na calçada, caminhões com carretas transportando mais de CEM TONELADAS, trafegam tranqüilamente, principalmente pela rua ANTONIO EMILIO DE FIGUEIREDO, dia e noite!

As calçadas existentes são sofríveis, ou nem há calçada, exigindo do pedestre cuidados suplementares para não cair e quebrar o pescoço. As ruas não têm emplacamento e tampouco recebem limpeza regular da SEMSUR.

Diante disso tudo, o munícipe pergunta: Para que servem os VEREADORES e o exército de ASSESSORES, que mensalmente recebem salários pagos com os impostos arrecadados?

A resposta pode ser dada sem nenhuma dificuldade: — SERVEM PARA CONSUMIR O DINHEIRO QUE FAZ FALTA, para atender os RENAIS CRÔNICOS, para melhorar o ENSINO e a merenda escolar; melhorar a segurança pública; recuperar as ruas e avenidas, que estão com a pavimentação deteriorada, vez que, as DUAS PROMESSAS DO GOVERNADOR resultou em conversa para boi dormir. Serve também, implantar ou recuperar calçadas onde houver necessidade e lançar as despesas na conta do proprietário, com a subseqüente execução da dívida, se necessária.

Junte-se a tudo isso, o desempenho de alguns SECRETÁRIOS MUNICIPAIS que nem gostam de atender as ligações telefônicas dos contribuintes. Eles apenas embaraçam o trabalho do Prefeito, ao invés de ajudá-lo!

"Ad captandum vulgos, panem et circenses" O povo está ou deveria estar mais atento, para não ser: "Um ignorante, conquistado com pão e circo!" Seduzido e captado, com PÃO E CIRCO! 02-09-2017 (4380)Membro da Academia Douradense de Letras.

(josealbertovasco@yahoo.com.br)

Envie seu Comentário