Ponta Porã, Sábado, 21 de abril de 2018
11/12/2017 06h

Pelo menos 124 deputados da base governista dizem votar contra reforma da Previdência, diz jornal

Para ganhar tempo, o governo marcou a votação da reforma para o dia 18 de dezembro.

Congresso em Foco
 
 
Foto: Beto Barata/PR Foto: Beto Barata/PR

Apesar de todo o esforço dedicado à aprovação da reforma da Previdência, pelo menos 124 deputados que compõe a base governista anunciaram que votarão contra a reforma, de acordo com levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo e publicado neste sábado (9). Para ganhar tempo e tentar convencer deputados indecisos ou que já anunciaram votar contra o texto, o governo marcou a data da votação na Câmara para o dia 18 de dezembro.

Ao todo, conforme levantamento, 215 deputados, dos 513, já anunciaram que não vão votar com o governo. Para aprovar a proposta na Casa são necessários 308 votos favoráveis. A reforma é uma das principais apostas do governo de Michel Temer e de sua equipe econômica. Nos últimos dias, Temer tem feito promessas e intensificado a divulgação sobre o tema para reverter quadro de rejeição ao texto.

Apesar de ter fechado questão, obrigando todos os seus deputados a votarem com a reforma sob pena de expulsão aos parlamentares desobedientes, os membros da sigla não estão tão decididos. De acordo com o levantamento, dos 60 deputados que compõe a bancada na Câmara, pelo menos dez disseram que são contrários à proposta e 15 mostraram-se indecisos. Nesse cenário, apenas 12 afirmaram ser favoráveis ao texto.

Apesar dos recentes anúncios de desembarque que não se concretizaram até agora, no PSDB, partido que está rachado sobre o apoio a Temer e que tem 46 deputados, apenas 6 anunciaram que votarão a favor do texto. "12 são contra mexer no sistema da Previdência, dez mostraram-se indecisos e 16 não quiseram responder".

Na última semana, na busca por votos, Temer acenou às centrais sindicais que baixará portaria na próxima semana para liberar o pagamento de cerca de R$ 500 milhões em verbas do imposto sindical que estavam retidas na União.

Na ofensiva governista, o Planalto está disposto a pôr em campo o mesmo pacote que serviu para salvar Temer de duas denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR), ambas sepultadas na Câmara: liberação de emendas parlamentares e recursos ministeriais, perdão de dívidas para setores estratégicos representados na Casa e até a ameaça de punição via fechamento de questão, que pode ser de suspensão de prerrogativas e até de expulsão. A postura do governo é apontada pela oposição como "balcão de negócios". Vale até a ameaça velada do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, sobre a não liberação de R$ 3 bilhões a municípios, em 2018, caso a reforma não seja aprovada.

Fora o PMDB, apenas o PTB, do ex-deputado Roberto Jefferson, também fechou questão e apoiará o texto. O partido tem 16 deputados. Ainda sem votos suficientes para aprovação da reforma da Previdência na Câmara, o governo tenta a todo custo aprovar o texto ainda neste ano.

Envie seu Comentário