Ponta Porã, Quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018
08/02/2018 13h20

Prefeitura de Ponta Porã estende atenção domiciliar na saúde

Na realização do cadastro é exigida a indicação de um cuidador, que poderá ser ou não membro da família

 
 
Secretário de Saúde, Dr. Patrick Derzi, em reunião com equipe na região do Ipês Secretário de Saúde, Dr. Patrick Derzi, em reunião com equipe na região do Ipês

A prefeitura de Ponta Porã, através da secretaria municipal de Saúde, tem implantado o programa ´Melhor em Casa´, do Ministério da Saúde e que a administração do prefeito Hélio Peluffo passou a desenvolver em todas as unidades básicas de saúde (UBS) na zona urbana e rural, garantindo o atendimento domiciliar a pacientes com alguma dificuldade de locomoção.

O programa foi instituído em 2011 e foi integrado ao Programa SOS Emergências na Rede de Atenção às Urgências no âmbito do SUS. O secretário de Saúde, Dr. Patrick Derzi destaca a importância do programa ser desenvolvido em Ponta Porã, com equipes que levam atendimento de saúde aos domicílios cujos pacientes possuem alguma dificuldade de locomoção, efetuando a avaliação médica básica e providenciando o encaminhamento. A equipe é formada por um médico, enfermeiro, fisioterapeuta e técnico em enfermagem.

O secretário de Saúde explica que a atenção domiciliar é interpretada como nova modalidade de atenção à saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento de doenças e reabilitação prestadas em domicílio, com garantia de continuidade de cuidados e integrada às redes de atenção à saúde (BRASIL, 2013).

O objetivo do Melhor em Casa é levar atendimento médico às casas de pessoas com necessidade de reabilitação motora, idosos, pacientes crônicos sem agravamento ou em situação pós-cirúrgica, evitando internações hospitalares desnecessárias e as filas dos serviços de urgência e emergência.

As equipes de cuidadores são formadas, prioritariamente, por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeuta. Outros profissionais como fonoaudiólogo, nutricionista, terapeuta ocupacional, odontólogo, psicólogo, assistente social e farmacêutico podem também compor as equipes de apoio.

O programa funciona durante toda a semana (de segunda a sexta-feira), 12 horas por dia e, podendo ser em regime de plantão nos finais de semana e feriados. Cada equipe atende em média, 60 pacientes, simultaneamente. Cada paciente recebe, normalmente, uma visita semanal. Entretanto, a freqüência pode ser definida conforme o estado clínico e avaliação do paciente.

Na realização do cadastro é exigida a indicação de um cuidador, que poderá ser ou não membro da família.

O cuidador será a referência da família para as equipes do Melhor em Casa.

A presença do familiar/cuidador facilita novas formas de produção do cuidado e de interações com a equipe de saúde. Além disso, traz tensões ao disputar os planos de cuidados com a equipe, ao mesmo tempo em que contribui para o aprimoramento da produção do cuidado. Os profissionais cuidadores desenvolvem um conjunto de ações, incluindo o ensinamento de hábitos saudáveis de vida, como: alimentação balanceada, prática regular de atividades físicas, convivência social estimulante, atividade ocupacional prazerosa e mecanismos para reduzir o estresse.

Como benefícios do PMC destacam-se humanização da atenção; menor exposição à infecção hospitalar; maior conforto para o usuário e sua família; maior autonomia do cuidador e do paciente, diminuindo a necessidade e frequência de reinternações hospitalares; disponibilização de leitos para os usuários que necessitam de internação hospitalar.

Envie seu Comentário