Ponta Porã, Sábado, 21 de abril de 2018
21/10/2017 09h

Audiência prova: brasileiro prefere novela a fazer política

Maioria da população se distrai diante da TV enquanto políticos deitam e rolam em Brasília

Por: Jeff Benício
 
 
O Brasil parou para acompanhar a ascensão e queda de Bibi Perigosa (Juliana Paes) na novela 'A Força do Querer'.
Foto: Divulgação/TV Globo O Brasil parou para acompanhar a ascensão e queda de Bibi Perigosa (Juliana Paes) na novela 'A Força do Querer'.
Foto: Divulgação/TV Globo

Em junho de 2013, os protestos pelo País contra o governo de Dilma Rousseff reuniram alguns milhões de pessoas.

Ainda que tenham causado impacto e amedrontado a classe política, não chegaram perto do poder de mobilização de uma novela de sucesso.

Toda noite, ‘A Força do Querer’ reuniu, em média, 7 milhões de telespectadores diante da TV apenas na Grande São Paulo, principal praça de aferição da Kantar Ibope.

Em alguns capítulos com recorde de audiência, o folhetim das 21h chegou a atrair perto de 10 milhões de pessoas na região metropolitana da capital paulista – praticamente a metade de todos os moradores da área.

Multiplique esse número pelas demais regiões do Brasil e terá quase metade da população total sintonizada na Globo. É indiscutível: a telenovela exerce impressionante poder de atração e influência sobre o brasileiro.

Não significa que esse gênero de ficção seja alienante, como alguns argumentam. Contudo, mostra que o cidadão médio prefere o escapismo de uma novela do que sair às ruas para protestar contra a corrupção praticada por homens públicos eleitos por ele próprio.

Diariamente, borbulham novas denúncias escabrosas que, em qualquer outro País, resultariam em união popular por mudanças imediatas na política e na gestão da máquina pública.

Aqui, porém, o ruído maior é detectado nas redes sociais. O palco principal – as ruas – registra um quase silêncio incompreensível.

Enquanto isso, nas conversas de bar, elevador, salão de beleza e ponto de ônibus, milhões repercutem o final do novelão que distraiu o povo nos últimos seis meses.

O problema, como se deduz, não está no gosto pela novela, e sim na indiferença em relação à atuação política individual.

Aliás, a ‘novelinha nossa de cada dia’ é, em muitos casos, usada como desculpa para não sair de casa a fim de fazer política nas manifestações.

Para muitos (milhões e milhões), as cenas dos próximos capítulos são mais interessantes – e relevantes – do que a atuação popular pelo futuro do País.

O filósofo grego Platão anteviu esse comportamento do brasileiro ao escrever: "Não há nada de errado com aqueles que não gostam de política, simplesmente serão governados por aqueles que gostam".

Envie seu Comentário