12/04/2018 16h30

Leia a Coluna Informe J.N. com jornalista João Natalício

Leia a Coluna Informe J.N. com jornalista João Natalício

Divulgação
 
 

INFORME JN

PRISÃO?

Desembargadores, cientistas políticos e mestres em Direito Constitucional juravam de pés juntos que o ex-presidente Lula – pela lei – não teria como evitar a prisão depois de uma condenação unânime em Segunda Instância. Mas parece que vão dar um jeitinho para o Lula não ser preso. Em contrapartida ele não poderá ser candidato a Presidente da República, impedido pela Lei da Ficha Limpa.

A própria classe política está admitindo isso, apesar da incoerência da manobra e daquilo que está escrito na Constituição que "todos são iguais perante a Lei". Todos, com exceção do ex-presidente Lula, o político mais popular do Brasil e, segundo muitos, também o mais corrupto. É o tal negócio: uma coisa compensa a outra. Safadeza com popularidade caminham de mãos dadas.

SENADOR

O pré-candidato ao Senado da República e já com um pé no Congresso Nacional, o valoroso Nelsinho Trad, semana passada esteve em Ponta Porã assessorado pelo vereador Agnaldo Miudinho (PTB), partido do qual o ilustre futuro senador é presidente em Mato Grosso do Sul. Muito simpático, Nelsinho Trad falou comigo pelo telefone para agradecer as referências que temos feito sobre o seu futuro político, através do Jornal de Notícias.

São as evidências, companheiro! Quem poderá duvidar de uma pré-candidatura longe à frente dos demais pretendentes, segundo todas as pesquisas de opinião pública? Bem diferente do noticiário das redes sociais, segundo o qual no Rio Grande do Sul o Lula também saiu na frente e a gauchada e botas e espora correndo atrás.

Aqui em Mato Grosso do Sul quem está correndo atrás são os pré-candidatos ao Governo do Estado, Senado da República e deputados (federal e estadual). Briga boa por enquanto pintando no pedaço envolve o Juiz Federal aposentado Odilon de Oliveira (PDT), o ex-governador André Puccinelli (MDB) e o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) que ainda não estaria absolutamente certo se disputa a reeleição ou se faz um acordo porreta com algum grupo político bitola larga de MS.

MAIS CORRERIA

Com relação aos demais cargos em disputa, só o projeto tucano desponta com quatro candidatos ao Senado para concorrer as duas vagas. Segundo consta, o petebista Nelsinho Trad estaria com 95% de possibilidade de participar desse quarteto, pelo menos com 90% de chance de vitória conforme as últimas pesquisas de opinião pública.

Aqui em Ponta Porã, o bicho vai mesmo pegar na disputa para a Assembleia Legislativa, uma vez que para deputado federal, por enquanto, só o vereador Daniel Marques está com coragem de tentar uma vaga na Câmara dos Deputados. O secretário de Segurança Pública do município, Marcelino Nunes de Oliveira, que disputaria mais uma vez essa eleição, estaria partindo para outro esquema político mais consistente para um futuro próximo.

OUTRO PARTIDO

Pelo andar da carruagem, Ponta Porã poderá chegar à primeira semana de outubro de 2018 com 3 a 5 candidatos a deputado estadual. Detalhe: políticos experientes e que conhecem muito bem as malandragens da nossa política tupiniquim, admitem que o vereador Otaviano Cardoso somente será candidato se deixar o PSDB. Conforme os "bizus democráticos" o clima já estaria armado para prejudicar o moço que em outro partido bem posicionado teria tudo para se eleger.

Expectativa está de bom tamanho em torno da candidatura do vereador Agnaldo Miudinho a deputado estadual. Como um bom petebista e até presidente do partido em Ponta Porã, o agora apresentador de programa de rádio deve estar aguardando o posicionamento final do seu líder no Estado, o candidato ao Senado Nelsinho Trad que juntamente com o irmão Marquinhos Trad está com um pé no barco do Reinaldo Azambuja. A esta altura dos acontecimentos tudo já estará praticamente definido.

Por outro lado – e em política numa preparação eleitoral isso sempre acontece – muita coisa vai ficar para fechar com data atrasada. Inclusive muitas candidaturas e filiações partidárias. Os políticos sabem que o juiz Sérgio Moro não deverá colocar a mão nisso. E salve o Lula!

EM TEMPO

Na onda desse troca-troca de partidos, perguntei para o suplente de vereador, Ramão de Deus (presidente municipal do PSB) qual seria o seu futuro político. Sem olhar para os lados ele respondeu na hora: "Vou continuar no PSB, mas aliado ao prefeito Hélio Peluffo, meu novo chefe político".

J. N. Oliveira

jndeoliveira@jnnoticiaspp.com.br

Envie seu Comentário