Na verdade, o único “presidenciável” que não tem medo de Bolsonaro está preso, por João Natalício

Leia o Infome JN e fique por dentro da política do Estado

28/08/2018 16h30 - DN

 

TUDO MUDADO

  • Permaneci 10 dias fora de Ponta Porã e muita coisa mudou no panorama político eeleitoral de Mato Grosso do Sul. Quando eu deixei o Estado, a senadora Simone Tebet era a bola da vez e o fato novo nas eleições de 2018. Como candidata ao Governo do Estado em substituição a André Puccinelli que continuava preso e só deverá ser solto depois das eleições de outubro, Simone estava se apresentando como a grande herdeira política do pai, o ex-prefeito de Três Lagoas, ex-deputado, ex-senador, ex-vicegovernador, ex-governador Ramez Tebet.

  • Legado respeitável e vitorioso que a filha Simone Tebet estava seguindo à risca, ocupando os mesmos cargos ocupados pelo pai, menos aquele que ela estaria perseguindo agora, a de governadora de Mato Grosso do Sul. Infelizmente por algum motivo muito forte que ainda não foi explicado, a esperança do MDB e de grande parte do eleitorado de Mato Grosso do Sul, a senadora Simone Tebet pulou fora da disputa e deixou um clima muito difícil para os seus companheiros de partido.

FALAR O QUE?

  • O que, por exemplo, o Brunoí, os vereadores Daniel Marques e Farid Afif, o Chiquito e o Chico Gimenez, vão explicar em casa e para seu eleitorado? A coisa está ficando cada vez mais complicada no pleito eleitoral de outubro que já tem gente duvidando na realização de eleições em Mato Grosso do Sul.

  • Está claro que com ou sem candidatos as eleições serão realizadas aqui no Estado em 2018. Com um detalhe: caso o tucano Reinaldo Azambuja tenha problemas para registrar sua candidatura, conforme já estão prevendo as "fake news", tem candidato aqui na terra dos deputados federais Zeca do PT e Luiz Henrique Mandetta que já está sonhando em vencer essa eleição por WO. Isso será possível? Acho que sim.

BOLSONARO

  • Por outro lado, por onde passei (Campo Grande, Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro) o nome de Jair Bolsonaro (PSL) está bombando. Falando mal ou falando bem, todo mundo só fala no homem. O capitão reformado tira o sarro dos adversários, elogia os amigos e fala bem dos que estão com ele e o seu nome está com frequência permanente na mídia nacional e nas redes sociais. Os presidenciáveis Geraldo Alckmin (PSDB) e Ciro Gomes (PDT) afirmam que não temem Bolsonaro, mas estão preocupados com ele.

  • Na verdade, o único "presidenciável" que não tem medo de Bolsonaro está preso. É o ex-presidente Lula que também só será solto depois das eleições. Seria ordem do glorioso Jair Bolsonaro? Quem duvida! Numa eleição com tantos políticos ficha suja dando sopa e comprometendo até as cortes superiores de investigação e julgamento, tudo pode acontecer.

  • Voltando aqui para o território tupiniquim agora apareceu mais um salvador da pátria para o MDB do senador Moka. O nome do dito-cujo: deputado estadual Júnior Mocchi, presidente da Assembleia Legislativa. Detalhe: ele tem nariz de tucano, aparência de tucano e se movimenta como tucano. Resumindo o fato: agora sim, a chapa de Reinaldo Azambuja está completa. Só nos resta aguardar a reação do magistrado aposentado que não brinca em serviço.

  • Chegando de viagem nesta terça-feira gelada de cara topei com um dito-cujo bem informado na city que foi logo dando o bizu: Você já sabe quem será o próximo presidente da Câmara Municipal? O encontro foi em frente da Caixa Econômica Federal, um local onde a correria por dinheiro é grande e por isso todo mundo tem pressa. Fui logo dizendo a verdade: Eu sabia que até a semana passada a bola da vez estava com o presidente Gabínio que deveria ganhar um segundo mandato merecidamente.

  • Nada disso, foi a resposta do meu solícito informante que completou: trata-se de um vereador peso pesado, respeitado por todos os colegas e ponta firme quando o assunto é de interesse do Legislativo. Devolvi: se é o dito-cujo que estou pensando a Casa de Leis estará em boas mãos. Vou checar essa informação.

CANDIDATO DIFERENTE

  • Esta semana ouvi um debate pelo rádio entre jornalistas especializados em política que estavam debatendo o resultado das últimas pesquisas eleitorais. Depois de analisarem a liderança de Lula que mesmo prisioneiro deixa todos os candidatos a presidente para trás, os debatedores chegaram a conclusão de que a explicação para o avanço do fenomenal Jair Bolsonaro que está na cola do Luiz Inácio Lula da Silva, seria a realidade de que ele é o único candidato diferente dos demais nestas eleições.

  • Ele é diferente em tudo: plano de governo, conduta pessoal, não faz rodeios para falar a verdade, não tem medo de cara feia e não esconde o que pensa sobre o Brasil. E o povo gosta de um cara assim meio louco ao estilo Donald Trumpp que não pensa duas vezes para soltar um caramujo pela boca sem importar-se com o que pode acontecer. Jair Bolsonaro não chega a ser um fenômeno, mas já está quase chegando lá. E para completar a verdade a respeito do que ele pensa sobre o Brasil, ele foi buscar um General do Exército assim como ele para ser seu vice. Acho que essa dupla ainda vai dar samba. Ela, a dupla, tem tudo para fazer história neste País que precisa de uma chacoalhada dos pés a cabeça. Vamos aguardar o 7 de outubro chegar!

J. N. Oliveira

jndeoliveira@jnnoticiaspp.com.br

Envie seu Comentário