04/06/2016 12h10

Na história, os registros são eternos. José Alberto Vasconcellos.

O objetivo do Japão em atacar Pearl Harbor e destruir a frota americana, era enfraquecer o poderio dos E.U.A. no Pacífico.

Por: Tião Prado
 
 

O Havaí, no Pacífico, arquipélago vulcânico da Polinésia (Oceania), tem a capital Honolulu na ilha de Oahu. É o 50º Estado que compõe os Estados Unidos da América.

Pearl Harbor é uma baia da ilha de Oahu, onde desde 1906 existe uma base aeronaval americana. Aviões e navios fundeados nessa base foram atacados de surpresa pela aviação japonesa, sem declaração de guerra, no dia 07.12.1941. A ação nipônica covarde e traiçoeira teve sucesso pela deficiência do alerta na base americana. A inesperada ação dos japoneses levou os americanos, consternados com a infâmia, a entrarem na II Guerra Mundial que terminaria com o lançamento de duas Bombas Atômicas sobre o Japão: em Hiroshima e Nagasaki.

Escorado na sua indústria bélica, com impressionante capacidade de produzir aviões, navios e outros equipamentos bélicos em série, num exíguo tempo os Estados Unidos partiram atrás dos japoneses, para cobrar a fatura resultante do covarde ataque.

A batalha de Midway, no Pacífico em 05.06.1942, foi uma inolvidável vitória aeronaval americana das forças do almirante Nimitz, sobre os japoneses ao largo do arquipélago de Midway, a NO do Havaí. Nessa batalha confirmou-se a superioridade dos porta-aviões dos E.U.A.

Com o sucesso obtido nessa memorável batalha pelos americanos, começou a derrocada do Japão, o império pomposamente batizado de "Esfera de Co-Prosperidade da Grande Ásia Oriental", em que Hiroíto (nome póstumo Showa Tenno, 1901-1989)) sonhava transformar o Japão.

O sonho do imperador, induzido pela megalomania, era dominar todo sudeste asiático, assim, em 1941, invadiu as Filipinas, onde derrotou e aprisionou ingleses e tangeu fora os americanos, que tinham naquele país – ao tempo dessa invasão – como comandante-chefe das forças americanas, o general Douglas Macarthur (1880-1964).

Hiroito em 1926 sucedeu o pai, revestido com a mesma aura de divindade que sempre cobriu a pessoa do imperador, inaugurando a era Showa. Em 1931 ocupou a Mandchúria. Em 1932 promoveu intervenção militar na China. No período de 1937-1938, ocupou o N.E. da China. Em 1940 assinou um tratado tripartite com a Alemanha e a Itália (o eixo Ro-Ber-To). Em 1941, a aviação japonesa atacou a frota americana em Pearl Harbor, declarando guerra aos E.U.A.. Em 1942 o Japão ocupou a maior parte do sudeste Asiático e do Pacífico. Em agosto de 1945 o país capitulou após o bombardeio atômico em Hiroshima e Nagasaki.

O objetivo do Japão em atacar Pearl Harbor e destruir a frota americana, era enfraquecer o poderio dos E.U.A. no Pacífico. O tiro saiu pela culatra, dada a imediata reação escorada na capacidade da sua indústria bélica. Em tempo exíguo, recuperaram sua frota dos estragos decorrentes do traiçoeiro ataque desfechado em 07.12.1941, iniciando o contra-ataque.

Começada a guerra entre americanos e japoneses, o general Douglas Macarthur (que antes fugira da invasão nas Filipinas em 1941), foi alçado ao comando das tropas aliadas no Pacífico. Derrotado o Japão (1944-1945) foi obrigado a aceitar a "Rendição Incondicional" que seria assinada a bordo do cruzador Missouri, fundeado na Baia de Tóquio.

O ministro das Relações Exteriores Mamoru Shigemitsu, cavaleiro da Ordem Imperial do Sol Nascente, munido de uma procuração do imperador para assinar a rendição, dirigiu-se ao cruzador. Septuagenário, com prótese na perna direita que perdera numa mina quinze anos antes, sem ajuda e com um esforço sobre-humano venceu os 90 degraus da escada que o levava à presença do general Douglas Macarthur, no convés do Missouri, onde seria celebrado o ato da rendição. Ao chegar ao topo esbaforido, pediu ao almirante William Halsey um copo d`água e ouviu do militar: " — Sem água!"

Os americanos adiantaram o fim da guerra e evitaram a morte de pelo menos um milhão de soldados, com o lançamento das duas Bombas Atômicas sobre o Japão. E mais: após a rendição preservaram a vida do imperador Hiroíto, evitando a reação fanática dos japoneses, que sempre tiveram o imperador como um deus e por ele orgulhavam-se em morrer. Lembrem-se dos "Kamikases"? Banzai! Banzai! Banzai!

No Brasil, na esteira da rendição, a partir de agosto de 1945, surgiram entre os japoneses aqui radicados, duas correntes: o "Makegumi" esclarecidos e que aceitavam a derrota do Japão; e os "Kachigumi", que diziam que o Japão vencera a guerra. Nasceu daí os "Shindo Renmei", grupo que assassinava os que aceitavam a derrota do Japão. No Estado de São Paulo, berço da maior colônia japonesa no Brasil desde 1908, com a chegada do navio "Kasato Maru" em Santos, muitos japoneses foram assassinados pelos patrícios fanáticos.

No primeiro encontro do imperador Hiroíto, agora como pessoa comum, (obrigado que fora a renunciar suas prerrogativas divinas), com Macarthur, o general americano usou uma farda de campanha puída e deixou-se fotografar com as mãos nos bolsos das calças, para mostrar quem é que mandava.

Bibliografia: "Corações Sujos", Fernando Morais, ed. Comp. das Letras; Enc. Veja/Larousse; e Google. 06.05.2016 (5274) Membro da Academia Douradense de Letras.

Envie seu Comentário