06/06/2015 06h

Sonegações e multas, são filmes protagonizados por atores graúdos! - José A. Vasconcellos.

José A. Vasconcellos, escreve todos os sábados para o site Pontaporainforma

Divulgação (TP)
 
 

Não vou aqui entrar no mérito da questão relacionada à pirataria, seara que poderá suscitar numerosas manifestações, das quais – muitas delas – poderão até proceder, mas que examinada a mecânica, imposta por grandes interesses disfarçados e inconfessáveis, concluiremos que a hipocrisia, a mentira, o egoísmo, o interesse pecuniário desmedido, amparados pela pouca vergonha e a conivência administrativa que os acoberta e estimula, é o combustível que consolida essas ações nefandas, alicerçadas na crença de que a Nação brasileira é constituída de néscios.

Esse modus operandi escorado unicamente na vantagem, gera enormes sacrifícios para uma considerável parcela da sociedade que se revela simplória, arredia a escola pela falta de estímulo do governo, por conseqüência desinformada, que só assiste telenovelas, acreditando no enredo barato desses tramas que se repetem. Também acreditam no Papai Noel, e esperam que um dia, pelas mãos do Sílvio Santos, ganharão um prêmio da Tele-sena. Cáspite!

Lavrada a introdução, vamos aos detalhes. O governo, ministros, políticos de todos os naipes e partidos; autoridades civis e militares e grande número de comentaristas das redes da informação – todos, indistintamente – acusam e condenam os produtos qualificados como “piratas” vendidos por camelôs aos consumidores de baixa renda.

Essa parcela considerável de brasileiros de poder aquisitivo limitado, recorrem a esses produtos, sabendo de antemão, que não são originais, mas que suprem uma necessidade ou realizam um sonho. Enfim, conseguem satisfazerem-se com o dispêndio do dinheiro que possuem. Tudo faz parte do mecanismo social a que pertencem, que todos conhecemos e estamos acostumados. É assim que tem sido, e é assim que continuará a despeito do clamor hipócrita que vem do alto de que: “— A pirataria DÁ UM IMENSO PREJUÍZO AOS COFRES PÚBLICOS!

Incontestável, que a pirataria mantém, cria e desenvolve uma dinâmica geométrica permanente, produzindo milhares e milhares de empregos àqueles que se dedicam a ela; e com essa atividade – abominada, por aqueles que só sabem lançar impostos e usufruir das suas benesses – satisfazem milhões e milhões de “brazucas” desprovidos dos recursos para adquirir produtos originais.

Produtos originais, sabe-se, agasalham no seu valor final, o acréscimo dos impostos, das taxas e de outras aberrações criadas pelo

Parlamento; esse aumento grava o custo original do bem em até 500% (quinhentos por cento), colocando-o fora do alcance do consumidor modesto, que sonha com alguns desses objetos para, pelo menos, ser um pouquinho feliz.

É certo que a pirataria corrói o Tesouro; todavia sabemos que a sonegação das empresas e dos empresários graúdos, as mutretas oficiais aí incluídas os “Zelotes”, as “Petrobrás”, os “BNDS”, os “Parlamentares”, os “Cartões corporativos”, os “Cabites nas folhas de pagamento”, os “Cartolas das Fifas”, os “Estádios das copas”, as “Ongs e as “Militâncias remuneradas” – tudo no plural para englobar aquilo que ainda não sabemos – CORROEM MUITO MAIS O TESOURO! FAVOREM APENAS UMA PEQUENA PARCELA DE PESSOAS UNGIDAS PELO PRIVILÉGIO, DIFERENTEMENTE DA PIRATARIA, QUE AJUDA QUASE TODA A NAÇÃO, INDISTINTAMENTE!

Forçoso é reconhecer a hipocrisia como o lema que orienta nosso País: a indústria vende pelo preço que quer; o governo lança o imposto que quer; os graúdos sonegam, negociam a impunidade e anulam as multas. Então, o que é isso? Claro que um crime não justifica outro, mas... lembremos o que nos diz – em termos – a Bíblia Sagrada: “Para os graúdos tudo é dado e facilitado; enquanto dos pobres, tudo é tirado!”

Baixem os impostos, acabem com a sonegação; eliminem os parasitas e os ladrões que comem os impostos pagos por quem trabalha. Dêem mostras de que a arrecadação é destinada ao bem estar social! Mostrem um sistema de saúde que funcione; escolas que ensinem e leis que enfiem os bandidos – independentemente da idade e da condição social – nas jaulas corretivas; aí os governantes deste País deixarão de ser “PIRATAS”, tal e qual os artigos vendidos pelos camelôs! Os brasileiros serão felizes, terão administradores originais, legítimos, verdadeiros!

No estágio atual em que vivemos, atacar os camelôs que vendem o sonho do “luxo”, para aqueles que querem realizá-lo com pouco dinheiro, não é ético. Acusar quem não pode defender-se, pior!

Diante da nossa realidade econômica, feitas as contas, a pirataria de quinquilharias não chega a fazer cócegas, no Erário!

30.05.2015 (4600) Membro da Academia Douradense de Letras.

(josealbertovasco@yahoo.com.br)

Envie seu Comentário