25/10/2017 06h20

Juros altos e câmbio desfavorável inviabilizam retomada dos investimentos, diz presidente da Abimaq

O presidente executivo afirmou que a Abimaq tem atuado em diversas frentes com o objetivo de criar as condições favoráveis ao investimento das indústrias.

Divulgação: Dora Nunes
 
 
José Velloso PRESIDENTE DA ABIMAQ DIVULGAÇÃO José Velloso PRESIDENTE DA ABIMAQ

DIVULGAÇÃO

Custo de capital elevado, câmbio, recessão e endividamento foram alguns dos pontos elencados por José Velloso, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (ABIMAQ), como motivos que inviabilizam a retomada dos investimentos por parte das indústrias.

Para Velloso, que esteve no Recife para participar do evento comemorativo dos 80 anos da Abimaq, o aumento de investimentos em infraestrutura e a recomposição das margens de lucros são prioridades. "Precisamos de juros baixos, câmbio competitivo, restabelecimento do fluxo de crédito e o equacionamento dos passivos fiscais para criar um ambiente favorável aos investimentos produtivos".

O presidente executivo afirmou que a Abimaq tem atuado em diversas frentes com o objetivo de criar as condições favoráveis ao investimento das indústrias.

Entre essas ações ele destacou a participação em coalizões, como a que busca impedir a aplicação do direito antidumping contra às importações brasileiras de aço que vem sendo solicitada pelas siderúrgicas nacionais.

De acordo com Velloso, essa medida causaria aumento de custos e afetaria a competitividade das indústrias, gerando desemprego e pressão inflacionária.

Velloso lembra ainda que se trata de um "tiro no pé", pois com a medida, os consumidores de aço no Brasil ficam com seus custos majorados, mas os bens fabricados com os mesmos aços feitos na China e Rússia entram no Brasil.

"O Brasil está sendo inundado de bens fabricados com este mesmo aço vindo da China e Rússia. Somente em máquinas em 2016 foram 3,6 milhões de toneladas de bens importados. Mais do que uma CSN", explica.

O executivo também revelou que a entidade reivindica a ampliação do prazo de recolhimento de impostos federais e o incentivo à pontualidade no pagamento de tributos por meio de bônus de adimplência.

REFORMA TRIBUTÁRIA

Germano Rigotto, diretor de ação aolítica da Abimaq, que também participará do evento no Recife, defendeu a proposta de reforma tributária do deputado federal Luiz Carlos Hauly, que, segundo ele, poderá fazer o Brasil voltar a crescer de 5% a 7% ao ano, além de contribuir para a desconcentração da renda no Brasil.

"Caso o projeto seja aprovado, o crescimento econômico será de forma continuada e sustentada, e garantirá a neutralidade na competitividade entre as empresas, com o fim imediato da guerra fiscal entre os estados graças a criação do Imposto sobre o Valor Agregado (IVA) e o imposto seletivo cobrados no destino, o que o torna a livre concorrência mais justa".

Rigotto abordará a atual situação política, o mercado industrial, as reformas política, trabalhista, tributária e da Previdência. "Não podemos mais perder tempo. O Brasil precisa de uma fotografia sem retoques dos problemas para que seja possível construir uma nova plataforma para o crescimento futuro".

A Abimaq representa atualmente cerca de 7.500 empresas dos mais diferentes segmentos fabricantes de bens de capital mecânicos, cujo desempenho tem impacto direto sobre os demais setores produtivos nacionais.

Envie seu Comentário