24/10/2017 14h10

Mieloma múltiplo afeta consideravelmente a qualidade de vida do paciente

Segundo a International Myeloma Foundation (IMF), a média de idade para o início do mieloma é dos 60 aos 65 anos¹.

Divulgação
 

O mieloma múltiplo é um câncer de medula raro e sem cura, que acomete 230 mil pessoas no mundo, de acordo com a International Agency for Research on Cancer (IARC)³. Mesmo se devidamente tratado e diagnosticado precocemente, a doença afeta principalmente a qualidade de vida do paciente devido aos sintomas associados. Por isso, cuidados complementares passam a ser fundamentais durante o tratamento.

A enfermidade ocorre quando um grupo de plasmócitos (células plasmáticas), responsáveis pela produção de anticorpos que participam do sistema de defesa do organismo, se multiplica de forma desgovernada, passando a comprometer múltiplas áreas da medula e, consequentemente, a produção normal dos glóbulos brancos e vermelhos e das plaquetas.

Desde o diagnóstico ao tratamento, o paciente geralmente sente dores ósseas, tem anemia, sofre com problemas renais e fraturas patológicas. Infecções frequentes também são comuns porque o sistema imunológico fica comprometido1. Com isso, o tratamento vai depender dos problemas enfrentados por cada paciente, que deve ser avaliado e indicado pelo médico. Para o tratamento, há opções terapêuticas medicamentosas e pode ou não incluir o transplante autólogo de células progenitoras hematopoiéticas4.

O mieloma múltiplo é uma doença com taxa elevada de recidiva. Porém, pode ser tratada e muitos pacientes podem ter uma vida normal e produtiva por longos períodos de tempo. Com o objetivo de minimizar os impactos na rotina provocados pelo mieloma, é importante que, com orientação médica, se adote algumas práticas complementares ao tratamento. Segundo o Dr. Ângelo Maiolino, Professor Associado de Hematologia do Departamento de Medicina Interna da Universidade Federal do Rio de Janeiro, existem várias formas de tornar a situação mais confortável para o paciente e a família. "É fundamental que exista uma humanização no tratamento e diferentes profissionais da área da saúde devem ser envolvidos. Em um plano terapêutico, os campos do emocional, físico e social devem ser conectados para que o paciente se sinta o melhor possível", explica o Dr. Maiolino.

Conheça alguns dos cuidados multidisciplinares elencados pelo Dr. Maiolino:

  1. Integrar os aspectos psicológicos e espirituais no cuidado ao paciente.

  2. Possibilitar que o paciente viva ativamente. "O paciente de mieloma múltiplo pode, na medida do possível, praticar atividades físicas supervisionadas. O médico poderá orientar em cada caso", salienta o especialista.

  3. Ter uma abordagem de diferentes especialistas de saúde com foco nas necessidades dos pacientes e de seus familiares, incluindo acompanhamento psicológico.

  4. Controle da ingestão de medicamentos para alívio da dor e de outros sintomas. "Além da terapia específica para o mieloma múltiplo são necessários os tratamentos periféricos que aliviam sintomas adversos. É preciso entender quais medicamentos funcionam melhor para o paciente e a importância do uso com regularidade e adequadamente. Nesse sentindo, cuidadores e familiares desempenham papel significativo", completa o hematologista.

Dr. Maiolino ainda reforça que as medidas não significam a cura, mas neste processo delicado de lidar com a doença dia após dia, a informação é fundamental: "O paciente, assim como seus familiares, precisa estar atualizado sobre a sua condição. Desse modo, oriento que converse com o médico sobre todas as dúvidas, inclusive sobre os cuidados de suporte, pois assim as chances de ter qualidade de vida são maiores".

Sobre a Takeda Sediada em Osaka, Japão, a Takeda é uma companhia farmacêutica global que investe em pesquisa e inovação para comercializar mais de 700 produtos em 70 países, sendo especialmente forte na Ásia, América do Norte, Europa e Mercados Emergentes, incluindo América Latina, Rússia-CIS e China. Fundada há mais de 230 anos, é hoje uma das 15 maiores farmacêuticas do mundo e a número 1 no Japão, graças ao esforço contínuo de seus 31.000 colaboradores em lutar pela melhoria da saúde e um futuro mais brilhante das pessoas em todo o mundo, por meio da liderança na inovação de medicamentos. Com a integração da Millennium Pharmaceuticals e da Nycomed, a Takeda vem se transformando, aumentando sua expertise terapêutica e alcance geográfico.

A Takeda está entre as 10 principais farmacêuticas do Brasil e tem duas fábricas instaladas em território nacional - Jaguariúna (SP) e São Jerônimo (RS) –, contando com quase 2.000 colaboradores. A área de MIPs (medicamentos isentos de prescrição) possuí medicamentos que são líderes no mercado e representam 48% do faturamento da companhia, que tem no portfólio produtos conhecidos como Neosaldina® (analgésico), o remédio para dor de cabeça mais vendido do Brasil5; Eparema/Xantinon® (digestivos), que juntos demandam mais de 90 milhões de reais6; Nebacetin® (antibactericida), a marca preferida pelos brasileiros para ferimentos7, e MultiGrip® (antigripal), o medicamento mais vendido do Brasil para o tratamento dos sintomas da gripe8. Na área de prescrição médica, as principais especialidades atendidas pela Takeda são: gastroenterologia, cardiometabólica e imunologia, além da oncologia, lançada em 2015.

A afiliada no Brasil adquiriu em julho de 2012 o laboratório nacional Multilab - com portfólio focado em MIPs, genéricos e genéricos de marca – com o objetivo de diversificar a carteira de produtos da companhia e aproximar-se ainda mais da nova classe média. Para mais informações sobre a Takeda, consulte o site: http://www.takedabrasil.com

Referências Bibliográficas:

  1. International Myeloma Foundation Latin America [Internet] 2017. [cited 2017 feb 22]. Available from: http://www.mielomabrasil.org/faq.php
  2. Instituto Oncoguia [Internet] 2015. [ENTREVISTA] Presidente da ABRALE discute cenário do Mieloma Múltiplo no Brasil. [cited 2017 feb 22]. Available from: http://www.oncoguia.org.br/conteudo/entrevista-presidente-da-abrale-discute-cenario-do-mieloma-multiplo-no-brasil/4138/8/
  3. International Agency for Research on Cancer [Internet] Globocan2012: Estimated Cancer Incidence, Mortality and Prevalence in 2012. [cited 2017 feb 22]. Available from: http://globocan.iarc.fr/Pages/fact_sheets_population.aspx
  4. Durie BG. Manual do paciente da International Myeloma Foundation Latin America [Internet] 2015. [cited 2017 feb 22] Tradução de Vânia M.T. Hungria. São Paulo: 2015:17. Available from: https://www.myeloma.org/sites/default/files/images/publications/International/PDF/portuguese/manual_do_paciente.pd
  5. IMS Health do Brasil Classe N02b – MAT Mai/16
  6. IMS Health do Brasil - MAT Mai/16
  7. IMS Health do Brasil Classes D06A0; D08A0 e D04A0 - MAT Mai/16
  8. IMS Health do Brasil Classe R05A0- MAT Mai/16

Envie seu Comentário