IPF MS

IPF MS divulga pesquisa de empregabilidade do segmento de turismo do Estado

A pesquisa utiliza dados do CAGED

14/06/2018 11h30 - Divulgação (AD)

Pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Fecomércio MS (IPF MS) mostra que o setor de turismo em 2018 está em um processo de recuperação nas gerações de empregos. Essa recuperação pode ser observada no primeiro quadrimestre do ano, quando registrou-se um saldo de 466 novos postos de trabalho e com isso um crescimento de 50,44% na comparação ao mesmo período do ano passado. Os principais setores que contribuíram para o resultado foram a agências de viagens, transporte rodoviário, locadoras de veículos, hospedagem e alimentação. O setor de hospedagem e alimentação ganhou maior destaque porque é responsável por 69,93% do total de empregos gerados pelo turismo e apresentou também o maior saldo de empregos deste ano.

"Trata-se de uma tímida melhora, mas que já reflete um discreto aumento da procura por atividades turísticas do Estado", explica o presidente do Sistema Fecomércio MS, Edison Araújo.

Segundo a economista do IPF MS, Daniela Dias, tem-se que o mês de abril superou os demais meses no número no total de ocupações (gráfico 2) e que o mês de janeiro registrou o maior saldo de empregos do ano (gráfico 1). "Já estamos presenciando uma pequena reação desse segmento, mas ainda são números aquém do necessário para a recuperação plena das atividades do turismo", explica.

A pesquisa utiliza dados do CAGED e pode ser acessada na íntegra, a partir do anexo.

O Estudo de Empregabilidade do Turismo de Mato Grosso do Sul foi derivado de um estudo mais amplo da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) (jun./2018) para o Brasil. Nesse estudo da CNC são visualizados dados do CAGED, desagregados por Estado e essa é a segunda vez que o IPF (Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio/MS) divulgará essas informações para o Mato Grosso do Sul. Neste caso, especificamente, a análise se voltará ao primeiro quadrimestre de 2018. Logo, para esse período, pode-se dizer que houve um desempenho positivo no saldo de empregos (466) do turismo do Estado. Esse saldo deteve um crescimento de 50,44%, na comparação ao mesmo período do ano passado. No acumulado de 12 meses, a diferença entre admissões e demissões deixa de ser positiva, mas reflete uma trajetória de recuperação desse segmento. Gráfico 1 – Evolução do saldo de emprego do segmento do turismo, em unidades

Fonte: CAGED/CNC, 2018. Elaboração: IPF/MS. Os principais setores que contribuíram para esses resultados um pouco mais satisfatórios nos primeiros meses de 2018 foram: agências de viagens; transporte rodoviário; locadoras de veículos; hospedagem e alimentação.

Quadro 1 - Número de pessoas ocupadas em 2018, comparativo mês a mês, no ano, em 12 meses, por setor do Turismo, em unidades.

Fonte: CAGED/CNC, 2018. Elaboração: IPF/MS.

Vale ressaltar, que o setor de hospedagem e alimentação, nos meses de janeiro e abril, foi o que mais ajudou a impulsionar o turismo, ao apresentar um saldo de 293 empregos e ao ser responsável por 69,93% dos empregos gerados pelas atividades turísticas estaduais.

Quando se observa o número total de ocupados ao longo dos anos de 2017, 2016 e 2018, percebe-se que os resultados de 2018 ainda estão abaixo daqueles auferidos em 2017 e 2016. Em 2018, acumularam-se 29,77 mil pessoas ocupadas no turismo, contra os 30,17 mil de 2017 e 30,30 mil de 2016.

Gráfico 2 – Evolução do número de pessoas ocupadas no turismo, em mil unidades

Fonte: CAGED/CNC, 2018. Elaboração: IPF/MS.

Expandindo essa análise e observando-se o comportamento das ocupações de 2018, tem-se que o mês de abril conseguiu superar os demais meses no número total de ocupações e o mês de janeiro registrou o maior saldo de empregos do ano. Assim, constata-se que melhores resultados já são visualizados, mas ainda estão aquém do necessário para a recuperação plena das atividades do turismo.

Envie seu Comentário