Capital

Antes de ser encontrada morta seminua em córrego, mulher teria saído com desconhecido em motocicleta

A polícia tenta agora identificar o desconhecido para saber o que teria acontecido com a vítima

12/02/2019 14h10 - Midiamax

 

A Polícia Civil tenta encontrar o homem com quem Rosana dos Santos Dantas, 32 anos, teria saído no dia 3 de fevereiro antes de ser encontrada seminua em um córrego, no Jardim Anache, em Campo Grande.

O delegado Sérgio Luiz disse que Rosana teria passado a noite em um bar a região, e por volta das 7/8 horas da manhã do dia 3 de fevereiro teria ido junto com um grupo para a casa de um senhor na região, onde aconteceria um churrasco.

Mas, como o churrasco não aconteceu Rosana teria saído na companhia de um homem em uma motocicleta. A polícia tenta agora identificar o desconhecido para saber o que teria acontecido com a vítima, que foi encontrada em um córrego com a calcinha abaixada e marcas nos pulsos e tornozelos.

Sobre Rosana ter sido estuprada, o delegado contou que ainda espera pelos resultados dos laudos para saber se houve ou não violência sexual. Nove pessoas já foram ouvidas, inclusive o marido de Rosana, que afirmou ser normal a mulher sair e voltar três dias depois, motivo pelo qual ele não teria registrado boletim de ocorrência pelo seu desaparecimento.

O caso

De acordo com as informações da polícia, Rosana teria saído na noite anterior com algumas amigas, até um bar que fica na proximidade da casa onde morava. O marido foi até o local, onde ficou por algum tempo, mas foi embora após uma discussão.

O corpo foi localizado na manhã de domingo, do dia 3 de fevereiro, por moradores que tomavam banho no rio do bairro Nova Lima. A princípio, as testemunhas acharam que fosse um travesseiro boiando. No entanto, ao se aproximarem, perceberam que era corpo de uma mulher.

O delegado disse que não descarta nenhuma linha de investigação. "As mais fortes são homicídio ou um afogamento acidental", ressaltou. Sérgio aguarda laudos também para saber se a mulher sofreu abuso sexual ou violência física.

Envie seu Comentário