01/03/2018 06h20

Novo ministério promete dobrar efetivo da PF em região de fronteira

Jungmann, ao falar sobre concurso, disse que será aberta 500 vagas para preencher postos da PRF no Brasil.

Correio do Estado
 
 
Delegacia da Polícia Federal em Ponta Porã, que não tem espaço físico para atual efetivo - Foto: Divulgação/Fronteira MSDelegacia da Polícia Federal em Ponta Porã, que não tem espaço físico para atual efetivo - Foto: Divulgação/Fronteira MS

O número de agentes da Polícia Federal nas regiões de fronteira deve ser dobrado, informou o ministro da Segurança Pública Raul Jungmann. Nesta quarta-feira (29), ele afirmou que o combate à corrupção e ao crime organizado serão prioritários, segundo divulgado pela Agência Brasil. Caso a medida seja efetivada, Mato Grosso do Sul deve ser um dos locais onde haverá reforço.

Contudo, além do número de policiais, há outras deficiências que precisam ser sanadas. Uma delas é o espaço físico para abrigar o efetivo que já é deficitário.

Em Ponta Porã, por exemplo, a estrutura da Polícia Federal na cidade, que está na fronteira seca com Pedro Juan Caballero (Paraguai) e serve de porta de entrada para o tráfico de drogas, principalmente maconha, além do tráfico de armas e cigarros contrabandeados, tem uma série de dificuldades. A começar pelo prédio, que por ser muito antigo não comporta mais agentes, mesmo que estes sejam encaminhados agora para a unidade.

A delegacia na cidade foi inagurada em 1998 e não tem espaço físico nem para comportar os cerca de 60 policiais lotados na unidade. Uma nova unidade estava prevista para ser licitada em 2017, com orçamento de R$ 15 milhões, mas ela ainda não saiu do papel e os agentes permanecem no mesmo prédio.

O presidente do Sindicato dos Policiais Federais em Mato Grosso do Sul, Leonardo Corniglion Alves da Silva, comentou que o anúncio do ministro é uma forma de o governo federal reconhecer uma deficiência não só no Estado, como em outras regiões do Brasil. "A demanda é muito grande e a Polícia Federal tem a competência para atender diversos crimes", comentou.

Ele mencionou também que o anúncio de abertura de concurso, feito hoje, deve auxiliar no efetivo. Silva confirmou que depois da tramitação do projeto da Reforma da Previdência, muitos policiais com tempo para se aposentar decidiram sair da PF por temer mudanças.

Detalhes sobre esse reforço não foram divulgados hoje e nesta quinta-feira governadores vão se reunir com o presidente Michel Temer, em Brasília, para tratar sobre a atuação de forças de segurança pública no país.

O próprio presidente admitiu nesta terça-feira (27) que pode haver intervenção na segurança de outras federações. Atualmente só o Rio de Janeiro foi atingido pela medida. "Eu chamei os senhores governadores para fazermos uma reunião, e, pontualmente, vamos verificando caso a caso", disse Temer em agenda pública, nesta terça.

POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL

O uso de câmeras e o sistema de videomonitoramento a partir do programa Alerta Brasil é uma das medidas que o Ministério da Segurança pretende fortalecer para reforçar a atuação da Polícia Rodoviária Federal. Conforme divulgado pela Agência Brasil, a promessa é que haja até o final do ano 330 pontos cobertos, mas não foram divulgados os estados que devem ser beneficiados.

Raul Jungmann, ao falar sobre concurso, disse hoje que será aberta 500 vagas para preencher postos da PRF no Brasil.

Em Mato Grosso do Sul, há 400 agentes da PRF, que são divididos em escala de plantão para 10 delegacias e 22 postos. A área que precisa ser coberta é de 3,7 mil quilômetros. Em geral, os postos ficam com, no máximo, dois policiais.

"O cenário ideal seria 1.200, mas com 800 já melhoraríamos ainda mais nosso resultados", disse em janeiro Luiz Alexandre Gomes da Silva, superintendente regional da PRF em Mato Grosso do Sul.

Envie seu Comentário