25/11/2017 10h

A obra vai demandar um ano e meio - 540 dias por José Alberto Vasconcellos

Agora vamos analisar tudo por etapas.

Divulgação (TP)
 
 

No jornal "O Progresso", edição de 4/5-11-2017, com o título "Termina a licitação para obras de tapa buracos nas ruas de Dourados." No corpo da matéria: "Foi finalizado o processo de licitação para escolher a empresa que fará as obras de tapa-buracos na cidade de Dourados, com investimentos de R$5 milhões garantidos pelo governador Reinaldo Azambuja. A informação consta do Diário Oficial da última segunda-feira. Com isso a Prefeitura de Dourados poderá contratar a empresa e assinar a ordem de serviço já nos próximos dias."

No mesmo jornal, edição de 10-11-2017, com o título "Estado vai investir R$11,3 milhões em obra na Marcelino Pires.- Recapeamento da principal via de Dourados inicia este ano e termina em 540 dias. Governador Reinaldo Azambuja assina no próximo dia 20 a ordem de serviço, em Dourados."

E, finalmente, no dia de hoje 13-11-2017, o Progresso estampa a manchete: "Empresários comemoram recapeamento na área central." No clichê, o empresário Laércio, da Comasul, dizendo "...que a revitalização representa uma solução eficaz "Outro clichê, na mesma página, com destaque maior, anuncia no seu rodapé: "Na última semana foi homologado o resultado da licitação para inicio do trabalho nos 7,4 quilômetros da extensão da pista da Marcelino Pires."

Temos de considerar também, que há poucos meses passados, o mesmo governador Azambuja, fez troar nos quatro cantos da cidade, "... que estava providenciado o recapeamento da rua Hayel Bom Faker, assim como das avenidas Weimar Gonçalves Torres e Joaquim Teixeira Alves."

Agora vamos analisar tudo por etapas. A promessa de que faria o recapeamento da rua Hayel Bom Faker, não passou de promessa, servindo tão só para tumultuar o trânsito nas proximidades da Praça da Bandeira. Além alvoroço no trânsito e sem um único metro de recapeamento, nada mais foi feito, em qualquer ponto das vias citadas.

Veio depois a notícia de que o governo Azambuja vai recapar toda a avenida Marcelino Pires, numa extensão de 7,4 quilômetros, num prazo de 540 (QUINHENTOS E QUARENTA DIAS) — exatos um ano e meio — o que dará à obra a velocidade linear de 13,7 metros por dia. O tempo estimado para a execução dessa obra, não deixa dúvida: o Governador imagina que a sociedade douradense é constituída de paspalhos. O custo desta obra, como já informado acima, será de R$11,3 milhões, que divididos por 540 (dias) dará uma despesa diária para o Estado de R$2.100,00 (DOIS MIL E CEM REAIS), valor que daria para comprar uma geladeira. Ufa!

Por fim, a verba de R$5 milhões para o tapa-buracos, que ainda não mostrou a cara. Os buracos mostrarem-se imponentes, mostrando que os prefeitos que contrataram as obras da pavimentação, ou foram relapsos na fiscalização da obra ou participaram dos custos, porque a cidade toda foi pavimentada sobre brita podre ou seixos, materiais irrecomendáveis, porque esfarelam-se e mostram o buraco, a morada da pouca vergonha!

Os buracos causam danos nos veículos, o que implica na responsabilidade do município, decorrente do que dispõe o Código de Trânsito, que adotou a "Teoria do Risco Objetivo" . Essa "Teoria" quer dizer no jargão popular: "Matou, tem que comer!", ou seja, o município tem que indenizar o prejuízo, sem conversa que possa procrastinar a recomposição do patrimônio do proprietário do veículo sinistrado.

Então as três notícias implicam na aplicação de R$5 milhões no tapa-buracos; R$11,3 milhoes no recapeamento da Marcelino Pires, no prazo de 540 dias; e mais R$36 milhões procedentes do Fundersul para recuperação total das vias públicas de Dourados!!!

É esperar para ver, torcendo para que o capítulo Hayel Bom Faker não se repita, para frustração total dos douradenses.

Bom lembrar que o governador Wilson Barbosa Martins, em pouco mais de três anos construiu o Fórum, o Estádio de futebol, a Adutora do Rio Dourados, a duplicação da Marcelino Pires — do Ubiratã até o trevo da Seara. Asfaltou de Dourados até Caarapó; comprou e pagou dois imóveis para a receita estadual e construiu o 1º Distrito Policial, este com a recuperação de crédito de ICM, através de execução fiscal procedida pelo então Procurador Regional do Estado, que era eu!

Aleluia! 540 dias para recapear uma avenida com 7,4 km. de extensão, representa a recuperação de l3,7 metros por dia.

A cidade vai ter de esperar por quase dois anos para ver a obra concluída e sem a certeza de que o futuro governador vai concluí-la, antes que a buraqueira volte sorridente, zombando dos douradenses que pagam impostos.

13.11.2017 (4700) Membro da Academia Douradense de Letras. (josealbertovasco@yahoo.com.br).

Envie seu Comentário