08/11/2017 07h20

Presidente do Crea-MS, Dirson Freitag tem candidatura à reeleição cassada

Ele teria publicado no WhatsApp material de campanha antes do início do pleito.

Conjuntura Online
 
 
Dirson Artur Freitag teve candidatura cassada (Foto: Divulgação )Dirson Artur Freitag teve candidatura cassada (Foto: Divulgação )

O presidente do Crea-MS (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso do Sul), Dirson Artur Freitag, teve a sua candidatura à reeleição cassada por decisão da CEF 20-17 (Comissão Eleitoral Federal).

A decisão do órgão atende ao pedido de impugnação de registro de candidatura encaminhado pelo agrônomo Ramão Edison Fagundes Jardim alegando que Freitag publicou em grupo "Futebol AEACG, no aplicativo WhatsApp, material de campanha no dia 6 de outubro deste ano, dois dias antes do período permitido pelo calendário eleitoral.

Apesar disso, o dirigente tem prazo para recorrer da deliberação assinada pelos conselheiros do Confea (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia) Alessandro José Macedo Machado, Marcos Luciano Camoeiras Marques e Ronald do Monte Santos (3º suplente) no dia 1º de novembro.

Caso a decisão não seja revertida, continuam na disputa apenas os candidatos à presidência do Crea-MS, o engenheiro agrônomo Abrahão Malulei Neto (número 112), o engenheiro civil Marco Antônio Paulino Maia (número 106) e o engenheiro ambiental Rodrigo Costa (número 117), que desponta como um dos favoritos.

A eleição ocorrerá no dia 15 de dezembro. No total, cerca de 12 mil profissionais devem ir às urnas para escolher seus representantes.

Somente poderão votar os profissionais registrados e com a anuidade do exercício quitada, conforme o regulamento eleitoral. Dia 14 de novembro é o prazo final para a regularização do pagamento.

Antes de ter sua candidatura cassada, Freitag já enfrentava divergências em sua campanha de muitos profissionais que são contrários à reeleição no órgão.

Eleito com 850 votos na disputa de 2014, ele pretende se manter à frente do cargo. No entanto, terá primeiro de convencer os conselheiros federais do Confea de que não fez campanha fora do prazo permitido.

Envie seu Comentário