12/12/2017 05h50

Leia a Coluna J.N. com João Natalício de Oliveira

Quem deverá disputar a eleição para a Assembleia Legislativa na família Monteiro? – o José Carlos Monteiro ou a Lourdes Monteiro?

Divulgação (TP)
 
 

O fim das reformas

  • Tudo indica que as reformas da Previdência, Tributária e Política não serão aprovadas no Governo de Michel Temer. Principalmente a reforma da Previdência, nem pensar. A desculpa agora dos políticos (deputados e senadores) em Brasília é que não foi feita publicidade do Governo explicando as vantagens da Reforma da Previdência e por isso a população brasileira está desinformada e contra a medida.

  • Na verdade, o único político com cargo e no poder que pensa no Brasil é o Presidente Michel Temer que, por conta disso, já foi hospitalizado três vezes com problemas no fígado, vias urinárias, próstata e obstrução nas artérias do coração.

Os políticos em geral -inclusive os deputados federais do PSDB que dispõe de ministérios e centenas de cargos no Governo- só estão pensando nas eleições do ano que vem.

Marun

  • Com toda razão o PMDB de Temer quer trocar o tucano Imbassahy pelo peemedebista Carlos Marun, o verdadeiro líder da tropa de choque dos aliados confiáveis.

Semana passada, o parlamentar de Mato Grosso do Sul manteve um encontro com o presidente da República em São Paulo e tudo faz crer que o assunto principal foi essa questão ministerial. Marun nega. Para ele o motivo da visita foi dar um abraço no seu amigo Temer e desejar-lhe a volta daquela saúde de ferro.

Tucaneando

  • Falar em PSDB, o governador Reinaldo Azambuja que namora o PMDB e outros partidos para a formação de uma aliança forte para disputar o Governo do Estado em 2018, voltou de São Paulo e Brasília roncando grosso.

Para ele o PSDB está com tudo. Para disputar a Presidência da República, os tucanos, além do governador Geraldo Alckmin, ainda tem o senador Tasso Jereissati (CE), primo do conselheiro do Tribunal de Contas Flávio Kayatt; o prefeito de São Paulo João Dória, o governador de Goiás Marconi Pirillo e o prefeito de Manaus (AM) Arthur Virgílio.

Será que o governador Azambuja não se esqueceu de ninguém aqui de Mato Grosso do Sul?

Mais tempo

  • Já que o assunto é eleição, o governador tucano resolveu dar mais um tempinho para os seus secretários, que pretendem disputar o pleito eleitoral em 2018, permaneçam um pouco mais no cargo. Depois de participarem tranquilos das festas de fim de ano, em janeiro todo mundo tem que pular fora do governo. E avisa: quem permanecer no cargo depois do Réveillon devem ficar no Parque dos Poderes até o final do mandato – dezembro de 2018.

  • Até o momento, o único secretário que pediu para sair foi o glorioso Barbosinha (Justiça e Segurança Pública) que deverá voltar para a Assembleia Legislativa e disputar a reeleição. José Carlos Barbosa é amigo inseparável do suplente de vereador pelo PSB, Ramão de Deus, que também está avaliando a possibilidade de disputar o cargo de deputado estadual. A Preta já está torcendo o nariz.

Família Monteiro

  • Tem muita gente perguntando: quem deverá disputar a eleição para a Assembleia Legislativa na família Monteiro? – o José Carlos Monteiro ou a Lourdes Monteiro?

O Bilo que me desculpe, mas eu acho que será a Lourdes Monteiro. Ela nunca esteve lá e atualmente realiza um grande trabalho à frente do Centro de Especialidades João Kayatt, além de comandar no Estado a Rede Feminina de Combate ao Câncer.

Correndo atrás

  • Desde já os deputados federais José Orcírio Miranda dos Santos (Zeca) e Vander Loubet, ambos do PT, estão correndo atrás dos bons acertos políticos para a campanha eleitoral do ano que vem. Zeca do PT deve disputar o Senado e o Vander concorre à reeleição. Sextafeira da semana passada eles estiveram em Ponta Porã no gabinete do prefeito Hélio Peluffo e foram muito bem recebidos pelo chefe do Executivo e pelo vereador Agnaldo Miudinho (PTB). Ver matéria nesta edição.

Analisando

  • Enquanto isso, o senador do PSC, Pedro Chaves ainda está em dúvida se disputa a reeleição ou o Governo do Estado. Ele está analisando o quadro político atual para saber em que barco deve navegar na próxima campanha eleitoral. A demora para decidir deve ser para evitar entrar em barco furado.

Papo esquisito

  • Profecia do presidente do PDT de Mato Grosso do Sul, Dagoberto Nogueira, de que o seu candidato Odilon de Oliveira vai "matar" a eleição no primeiro turno pode ser coisa de "Mãe Diná", aquela mãe de santo famosa que acertava uma e errava três. O bom desempenho no Judiciário não significa que o agora juiz aposentado vai repetir a dose na política, um setor muito complicado que costuma levar para o barro muita gente intocável acostumada em conviver em terra firme. De repente, tudo pode acontecer...

  • Outra coisa: Cuidado com o Bolsonaro! Esta semana um sábio político bem informado me disse que as Forças Armadas ainda não interviram no Brasil porque elas tem certeza na vitória de Jair Bolsonaro nas urnas nas eleições do ano que vem que, inclusive, podem ser antecipadas. Recado dado.

J. N. Oliveira

Envie seu Comentário