23/01/2018 05h30

Amambai registra notificações de dengue e chikungunya

Só nos primeiros 18 dias do ano foram doze casos suspeitos de dengue e dois suspeitos de chikungunya. Secretaria de Saúde alerta população para a prevenção.

Agazetanews
 
 
Foto: Vilson NascimentoFoto: Vilson Nascimento

A cidade de Amambai iniciou 2018 em situação de alerta para a dengue e a febre chikungunya.

No decorrer do ano passado, segundo boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado da Saúde em Mato Grosso do Sul, Amambai registou 221 notificações para dengue, sendo que em 204 delas o resultado foi negativo para a doença, 3 foram confirmados como positivos pelo Lacen, o Laboratório Central do Estado e o restante aguardava resultado.

Em relação a febre chikungunya, em 2017 Amambai registrou 8 notificações da doença com apenas um caso confirmado na região da Vila Limeira.

No caso do zika vírus, doença que como as acima são transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, em 2017 foi registrada uma notificação em Amambai e exame laboratorial deu negativo para a doença.

Em 2018, de 1 de janeiro até agora, segundo boletim epidemiológico divulgado na quinta-feira, dia 18, Amambai já registrou 12 notificações de casos suspeitos de dengue e 2 casos suspeitos de chikungunya. Todos ainda estão sob análise em laboratório.

 
Foto: Vilson NascimentoFoto: Vilson Nascimento

No final do ano passado a prefeitura e a Secretaria Municipal de Saúde reativaram o "Comitê Municipal de Combate a Dengue" e uma ampla ação foi realizada, inclusive com a participação da Defesa Civil e com o apoio do Exército Brasileiro, na região da Vila Limeira.

Integrantes do Comitê também se reuniram com o Ministério Público em Amambai para buscar apoio no sentido de intensificar o combate à doença no município.

Uma das demandas eram a busca junto ao Poder Judiciário, de autorização judicial que permitisse aos agentes de endemias a entrarem em terrenos de residências fechadas, principalmente aquela em situação de abandono, cujos proprietários não fossem e encontrados.

O Ministério Público, por sua vez, ingressou com uma ação civil pública junto a Justiça pedindo a autorização para os agentes adentrarem as residências, mas o pedido foi indeferido pelo Poder Judiciário.

Clima favorável à proliferação

As frequentes chuvas aliadas ao clima quente por si só já favorece a proliferação do Aedes Aegypti devido ao acúmulo de água parada, mas a situação é agravada ainda mais com o mato que cresce rapidamente nos terrenos baldios e sobretudo lixo que os próprios moradores acabam jogando nesses terrenos, atitude displicente que coloca em risco a saúde deles próprios e de seus filhos, além de estender a ameaça para toda a vizinhança.

A Secretaria de Saúde da Prefeitura em Amambai alerta para esse risco e pede a participação da sociedade em geral para tentar conter a proliferação do Aedes Aegypti e consequentemente das doenças à ele atribuídas como sendo o vetor e transmissor.

Envie seu Comentário