Usina Solar Fotovoltaica da UFMS atenderá pesquisas e poderá gerar energia

Dentre as possíveis fontes alternativas para geração de energia elétrica, a energia solar tem ganhado muito destaque e crescente adoção nos últimos anos

15/09/2018 10h- DN

 

Com a crescente demanda para utilização de energia elétrica e o aumento dos preços das tarifas, cresce também a procura por fontes alternativas de energia. Dentre as possíveis fontes alternativas para geração de energia elétrica, a energia solar tem ganhado muito destaque e crescente adoção nos últimos anos. Essa fonte de geração de energia pode ser implantada em residências, prédios, e até mesmo pode-se construir uma usina de energia solar fotovoltaíca. É uma fonte amigável ao ambiente pois os impactos ambientais são mínimos, com preços de instalação reduzindo ano-a-ano, além de ter um longo tempo de vida útil.

Essa crescente demanda de energia solar, aliada a necessidade de avanço científico e tecnológico para minimizar custos e manter os níveis de geração esperadas, motiva o desenvolvimento de novas tecnologias. Em acordo com essas necessidades, pesquisadores da UFMS desenvolvem o projeto de pesquisa "Projeto e desenvolvimento de tecnologias para identificação de sujidade e limpeza automática em sistemas fotovoltaicos".

No âmbito deste projeto há a necessidade de experimentos utilizando um ambiente real de geração de energia solar em larga escala e, assim, será realizada, no próximo dia 18 de setembro, a inauguração da primeira Usina Solar Fotovoltaica da UFMS (UFV-UFMS).

De acordo com o coordenador do projeto, professor Ricardo Santos (Facom), a usina solar fotovoltaíca tem capacidade de geração de 8,2kWp e está instalada nas dependências da Famez, em Campo Grande. O principal objetivo com essa instalação é fornecer uma infraestrutura para pesquisa visando detecção e limpeza de sujidade em módulos fotovoltaicos, além da predição de perda de geração. Nesse projeto, atuam pesquisadores da UFMS, IFMS, IFBA e da empresa Nexsolar, além de estudantes de iniciação científica e mestrado.

Com a Usina, além de servir como inafraestrutura para testes e experimentos, a Universidade poderá gerar energia, revertendo-a para abater na conta de luz paga pela Instituição.

A Usina foi financiada com recursos do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) por parte das empresas: Companhia Energética Candeias (CEC), Companhia Energética Potiguar (CEP) e Companhia Energética Manauara (CEM), que proveram os recursos para bolsas de estudantes e pesquisadores, além dos materiais de consumo, serviços e materiais permanentes utilizados no projeto.

Projeto de pesquisa

Iniciado em janeiro deste ano e com previsão de término em janeiro de 2020, o projeto atua sobre a pesquisa e desenvolvimento de algoritmos de escalonamento de ações de limpeza dos painéis solares com base em modelos definidos a partir de parâmetros elétricos e ambientais que impactam na sujidade dos módulos Fotovoltaicos.

"Especificamente, vislumbra-se o desenvolvimento de um sistema de monitoramento de sujidade, composto por sensores de variáveis ambientais (temperatura e umidade do ambiente, radiação solar) e sensores de detecção de particulados. Esse sistema deve alimentar um módulo de software de identificação e de estimativas de impacto da sujidade na produtividade dos painéis solares, aliando os parâmetros como presença de particulados, dados ambientais e de performance energética da usina solar", explica o professor Ricardo.

O módulo de software pode ser integrado a um sistema supervisório da usina. "De acordo com as estimativas de impacto da sujidade sobre a produção energética, o sistema supervisório pode escalonar e realizar ações de limpeza, utilizando um dispositivo (robô) automatizado. Adicionalmente, relacionado à tecnologia de limpeza, busca-se a utilização de água da chuva e reutilização da água utilizada nas limpezas dos painéis", completa o professor.

A investigação científica no projeto envolve o desenvolvimento de modelos de predição estatística, modelos de controle, e aplicação de algoritmos de aprendizado de máquina e visão computacional.

"Queremos estimar e prever o impacto da sujidade sobre o desempenho dos módulos fotovoltaícos além do projeto e desenvolvimento de um dispositivo autônomo de limpeza. Esse dispositivo de limpeza será alvo de pesquisa e desenvolvimento pois utilizará definições de projeto e tecnologias visando torná-lo adaptável a diferentes tipos de estruturas ou materiais de painéis fotovoltaicos, além de atuar sob parâmetros de otimização para maximizar o desempenho da ação de limpeza, minimizar os impactos sobre a degradação do tempo de vida dos painéis, minimizar o consumo de água e utilizando técnicas para captura de energia (energy harvesting)", diz Paula Pimenta.

Envie seu Comentário