28/10/2017 18h

Vento ultrapassa 100 km/h e deixa rastro de destruição na Capital.

Velocidade do vento é considerada "atípica" pelo Inmet; Velocidade foi de 103 km/h , deixou bairros sem luz e estragos espalhados pela Capital.

Campograndenews
 
 
Toldo do Supermercado cedeu e atingiu veículo estacionado (Marcos Ermínio).Toldo do Supermercado cedeu e atingiu veículo estacionado (Marcos Ermínio).

O vento que chegou com a tempestade de sexta-feira (27) atingiu 103 km/h, velocidade considerada "atípica", segundo o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia).

Meteorologista em São Paulo, Neide Oliveira explicou que ainda é preciso dimensionar outras características da tempestade para saber se o vento enquadra-se na categoria de "ciclone", os tufões ou furacões que ocorrem em regiões tropicais ou subtropicais, produtos de grandes massas de ar em alta velocidade de forma circular.

A ventania espalhou estragos na Capital. Durante a noite a chuva começou intensa, mas "tímida", por volta das 21h. Pouco minutos depois, no entanto, o vento intenso assustou quem estava na rua.

Diversos locais ficaram sem luz, um outdoor na Avenida Tamandaré despencou, árvores caíram, atingidas por um dos 359 raios registrados até às 21h, segundo o meteorologista da Uniderp, Natalio Abrahão. O volume de água, conforme a meteorologista do Inmet, foi de 21,8 milímetros.

Santa Luzia

Um dos bairros mais atingidos pelos estragos foi o Santa Luzia, na região norte de Campo Grande. Na Avenida São Nicolau a tempestade atingiu árvores e até um Supermercado. No cruzamento da Avenida com a Rua Santa Gertrudes, a cobertura do mercado cedeu, atingiu um veículo e, por uma diferença de segundos, não atingiu o dono do carro.

Proprietária do estabelecimento, Neide Taveira da Silva, 59 anos, relatou que o mercado estava fechado "com poucas pessoas dentro", quando a tempestade chegou. A cobertura era sustentada por uma viga, contou, mas após a retirada da estrutura de apoio, solicitada pela Prefeitura, o "telhado" que encobre alguns metros na frente do mercado ficou mais frágil.

Prejuízo - A estrutura atingiu a frente de um veículo Uno e destruiu a vidraça do carro. O veículo é propriedade de um comerciante autônomo, 25, que preferiu não ser identificado. Ele vende artigos, "dvd's e cd's" em frente ao mercado, e utiliza o veículo para transportar e armazenar os produtos, exibidos em um "banca".

Ele contou que só não foi atingido pelo toldo do Supermercado porque teve a ideia de correr ao invés de entrar no veículo "que havia acabado de estacionar". No local, as pessoas se uniram para remediar os danos. O vendedor utilizou uma motocicleta de um funcionário do mercado para ir embora e conseguiu guardar os produtos dentro do estabelecimento.

 
Outdoor caiu na Avenida Tamandaré (Marcos Ermínio).Outdoor caiu na Avenida Tamandaré (Marcos Ermínio).

Envie seu Comentário