15/01/2018 13h20

William Waack se defende de acusações de racismo e critica a Globo em artigo

O jornalista, demitido da Globo em dezembro de 2017 depois de acusação de racismo, escreveu artigo para a Folha de S. Paulo se defendendo

IG
 
 
Reprodução William Waack escreve artigo para a FOlha de S.Paulo se defendendo de acusações de racismo e atacando a Globo Fonte: Gente - iG @ http://gente.ig.com.br/tvenovela/2018-01-14/william-waack-critica-globo.htmlReprodução

William Waack escreve artigo para a FOlha de S.Paulo se defendendo de acusações de racismo e atacando a Globo
Fonte: Gente - iG @ http://gente.ig.com.br/tvenovela/2018-01-14/william-waack-critica-globo.html

Depois de ter sua imagem abalada pelo vazamento de um vídeo no qual faz um comentário racista , William Waack acabou sendo demitido da Rede Globo . Em um comunicado no final de 2017, a emissora falou que entrou em um acordo com o jornalista e decidiu por desliga-lo. Menos de um mês depois da decisão, o jornalista desabafou em um artigo publicado na Folha de S.Paulo de domingo (14).

No texto, William Waack se refere aos rapazes que vazaram suas imagens na internet dizendo que, se eles o tivessem procurado teria dito que aquilo foi uma "piada idiota". Afirmando que eles "roubaram" a imagem, Waack diz que não teve a intenção de ofender ninguém com seu comentário.

Ele também não poupou a Rede Globo e, sem citá-la diretamente, criticou a "capacidade de empresas da dita ‘mídia tradicional’", afirmando que cedem à "gritaria de grupos organizados" acreditando que isso irá proteger a própria imagem. "Por falta de visão estratégica ou covardia, ou ambas, tornam-se reféns das redes mobilizadas, parte delas alinhadas com o que os ‘donos’ de outras agendas políticas definem como ‘correto’".

Defesa

Waack também citou alguns nomes que o defenderam depois que o vídeo em que diz "cisso é coisa de preto" surgiu na internet. Entre eles, a Presidente do STF, ministra Carmem Lúcia, e a também jornalista Glória Maria : "autorizado por ela, faço aqui uso das palavras da jornalista Glória Maria, que foi bastante perseguida por intolerantes em redes sociais por ter dito em público: ‘Convivi com o William a vida inteira, e ele não é racista. Aquilo foi piada de português’".

William Waack ainda completou dizendo que combateu a intolerância de qualquer tipo durante toda a sua carreira, sua vida profissional e pessoal é a prova disso. Por fim, ele conclui: "Tenho 48 anos de profissão. Não haverá gritaria organizada e oportunismo covarde capazes de mudar essa história: não sou racista. Tenho como prova a minha obra, os meus frutos. Eles são a minha verdade e a verdade do que produzi até aqui".

Fonte: Gente - iG @ http://gente.ig.com.br/tvenovela/2018-01-14/william-waack-critica-globo.html

Envie seu Comentário