Lá vem o sol

Alimentação pode minimizar os efeitos nocivos do sol aos olhos

Segundo Queiroz Neto, as doenças oculares tem se tornado mais comuns em virtude da exposição ao sol sem óculos que bloqueiam 100% dos raios UV.

08/12/2018 11h40 - EFE

 
Crédito: Photo by Ethan Robertson on UnsplashCrédito: Photo by Ethan Robertson on Unsplash

Com a chegada do verão, as pessoas tendem a se expor mais ao sol, por frequentar espaços abertos, como praias, parques e piscinas. Para a proteção dos olhos, normalmente utiliza-se óculos de sol ou algum tipo de chapéu. Contudo, segundo o médico oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, os cuidados com a visão começam na mesa, a partir da adoção de uma dieta rica em nutrientes e antioxidantes.

A exposição dos olhos aos raios ultravioleta (UV) pode provocar diversos problemas, como a catarata, que atinge mais 25% dos brasileiros maiores de 50 anos, o ressecamento das lágrimas e a degeneração macular, que pode levar à cegueira.

Segundo Queiroz Neto, as doenças oculares tem se tornado mais comuns em virtude da exposição ao sol sem óculos que bloqueiam 100% dos raios UV, o uso excessivo de aparelhos eletrônicos, como celulares e computadores, que possuem luz azul, e o aumento de portadores de diabetes, doença que favorece a catarata.

De acordo com dados do instituto Penido Burnier, cerca de 80% dos pacientes desconhecem os alimentos protegem os olhos dos raios ultravioleta (UV). Veja abaixo, por grupos de ação, quais são eles, segundo o Instituto dos Olhos dos Estados Unidos:

Cereais integrais, amêndoas, amendoim e avelã: funcionam como um bloqueador dos efeitos da luz solar por conterem vitamina E, um potente antioxidante que evita a formação precoce de catarata e a degeneração macular.

Cenoura, abóbora, mamão e goiaba: são ricos em vitamina A, nutriente essencial para a saúde ocular. O primeiro sinal de deficiência de vitamina A é a cegueira noturna e o ressecamento dos olhos, que causa o turvamento da visão. A deficiência também pode causar danos na retina e conjuntivite, devido à queda da imunidade. Para melhorar a absorção é recomendável incluir na alimentação fontes de zinco, como frutos do mar, carne, ovos, tofu e gérmen de trigo.

Semente de linhaça, sardinha e salmão: combatem o ressecamento dos olhos, por conterem ômega 3.

Folhas escuras, milho, cenoura e nabo: contêm luteína e zeaxantina, substâncias encontradas na parte central da retina, a mácula. Protegem os olhos, absorvendo o excesso de luz, e evitam a aterosclerose, acúmulo de gordura nas paredes internas dos vasos oculares.

Tomate, vinho tinto, frutas cítricas, mirtilo e amora: protegem os olhos da catarata e da degeneração macular pela ação antioxidante da vitamina C, além de serem ricos em flavonoides, que garantem a boa circulação e saúde dos vasos oculares.

Frutos do mar e castanha do Pará: contêm selênio e podem reduzir o risco de degeneração macular, quando combinados a alimentos ricos em vitamina A, C e E.

Apesar dos aliados contra os danos solares aos olhos, uma alimentação ruim pode prejudicar os efeitos dos raios UV. O consumo excessivo de açúcar, sódio e gorduras saturadas, presentes na carne bovina e no leite, pode surtir efeito contrário ao da lista apresentada.

Envie seu Comentário