12/02/2018 09h20

As libélulas lava-bunda vão causar "frisson" no meio científico por serem predadoras naturais do Aedes

Os primitivos habitantes do Brasil já sabiam, via natureza,como evitar certos mosquitos.

Por: Gilvan Barbosa Gama
 
 

Todos nós sabemos que podemos devemos e queremos acima de tudo, erradicar a Dengue no Brasil,e se for impraticável, ao menos mante-la sob controle.

Tenho publicado insistentemente em parceria com o Dr. Gilvan Barbosa da Gama Apiterapeuta Holístico residente em Piúma ES sobre este assunto, inclusive indicando paliativos para espantar o mosquito vetor da dengue como por exemplo, fazendo o uso do Extrato de Própolis dissolvido em álcool de cereais, que ao ser ingerido (de cinco até 30 gotas).Isso feito, nosso corpo libera pela sudorese uma substância chamada flavona, que impede pelo suave odor, a aproximação do mosquito por até 10 metros, o uso do Capim Citronela próximo a residência, também afastam os mosquitos e são primitivamente bastante usados pelos agricultores sobre as orelhas quando vão para campo, e agora o plantio da Crotalária Juncea que atrai libélulas (lava-bunda) predador natural do Aedes Aegypti, como se vê na foto.

Como sempre, todas as vezes que divulgamos mais sobre a própolis e suas propriedades, curiosamente as sumidades científicas como ANVISA e FIO CRUZ rechaçam a ideia nos acusando de enganadores e outros qualificativos. O mais surpreendente é que estas mesmas sumidades que negam a própolis, não apresentam nenhuma pesquisa comprobatória negando sua eficácia. Se dizer doutor infectologista é uma coisa. Conhecer abelha e seus apiterápicos é outra. Conseguir provar por a+b que o extrato de própolis não tem poder repelente e curativo são outros 500. Como sempre e de costume estas sumidades que trabalham em prol dos laboratórios internacionais poderiam e deveriam canalizar seus esforços científicos em busca da tão esperada e longínqua vacina contra a malária e as gripes ressurgentes que eles sequer se dignam a colaborar senão tecer crítica que em nada corroboram com atividade proativa e científica.

Pelo fato da própolis ser um dos componentes do verniz, aconselhamos a estes gagas rançosos e retrógrados a propolizar o par daquilo bem grande que têm na fronte acima dos olhos e próximo aos ouvidos. Além de repelente, própolis pode também prolongar a vida inútil de qualquer cartilagem óssea frontal.Se todos os doutores resolveram atacar a própolis das abelhas de forma tão acintosa é que ela realmente incomoda interesses outros.Sabedor de que mais dia menos dia estes mesmos gênios terão que reconhecer a viabilidade dos apiterápicos, e ficamos no aguardo de novas e tendenciosas ofensivas que só nos faz redobrar o ânimo em prosseguir nas assertivas,

Dengue, Febre Amarela Chycungunia Zika, Doença de Guillain Barré e Miosite não são problemas alheios, e ou dos nossos vizinhos, são nossos, e os mais temidos problemas, pois no momento estamos em desvantagem, devido a velocidade com que nosso inimigo o Aedes Aegypti se prolifera, e com a ajuda de outro inimigo, o próprio homem acabestrado e propositalmente desinformado feito ovelhas burras e teimosas, assim como governos acéfalos como o do Rio de Janeiro que fechou as portas para a saúde, por inadimplência contumaz e outras práticas espúrias, espelhando-se no governo federal, estelionatário perdulário e mercenário!

Usada para enriquecimento de solo, segundo a especialista, Gerente de Vigilância e Saúde de Vitória ES, Dra. Arlete Frank Dutra, o arbusto chamado Crotalária Juncea, outro colaborador infalível, pelo fato de atrair predadores do mosquito vetor, deve ser plantada em parques e em locais com concentração de água pelo fato da mesma atrair as libélulas (lava-bunda) que são predadores naturais das larvas e adultos do mosquito da dengue.

A germinação dessa planta leva 45 dias e depois pode ser transportada e plantada em outros locais.

Como estamos observando, de novidade esperada da ANVISA, FIO CRUZ e do Governo Federal nada, exceto criticar levianamente o trabalho alheio, pois sequer se dignaram a divulgar à população estes paliativos naturais que funcionam, exceto os químicos industrializados pelos laboratórios internacionais que estão sendo testados e cuja PROTESTE inclusive, contesta a ação efetiva da grande maioria dos repelentes por seus efeitos nocivos a nossa saúde, atestando falsidade ideológica nas informações destes laboratórios.

Daqui a pouco vamos descobrir que nossos índios são os únicos que poderão dar cabo das doenças que os nossos civilizados, bravos e destemidos infectologistas não conseguem apresentar solução, dizendo serem patologias emergentes e que ainda nos reservam quadros clínicos de arrepiar, quadros estes ainda desconhecidos.

Assim como apontamos lá ha exatos oito meses passados, sempre batendo na mesma tecla, estes problemas atuais já vinham sendo cantados em ritmo de samba e em som crescente e, podemos adiantar que tais quadros desconhecidos relacionados a Zika também estarão co-relacionados ao pâncreas ao aparelho respiratório e aos músculos, como por exemplo a síndrome de Guillain-Barré, e agora a mais nova e preocupante alerta vermelho chamada MIOSITE que gera fraqueza muscular, podendo levar o paciente a paralisia, que está deixando a ANVISA e o Governo Federal em polvorosa em pecarem por inércia e incompetência!

Recentemente, outro fato bastante alarmante, que é a transmissão INTRA-UTERINA, ou seja, recentemente no Nordeste, num exame laboratorial de um aborto, foi detectado o vírus zika na placenta da paciente, o que significa que este já chegou a ultrapassar as barreiras do praticamente impossível

O mais novo fenômeno causado pela Chycungunia, a Miosite que acomete os músculos do paciente, e pode causar além de fortes dores, convulsões, paralisia de partes do corpo como rosto, braços e pernas, inclusive no aparelho respiratório, provocando infecçao grave.

A enfermidade pode ser provocada por outras infecções, como a vasculite, que é a imflamação dos vasos sanguíneos, e também por doenças musculares. Se não for tratada no início, a doença poderá levar o paciente à óbito.

Fontes de pesquisa http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2016/01/1731325-virus-da-zika-consegue-ultrapassar-a-placenta-na-gestacao-confirma-analise.shtml

Outras fontes de informações pode ser obtidas no site http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2015/12/1723511-sindrome-rara-ligada-ao-virus-zika-avanca-nopais.shtml!

Envie seu Comentário