19/01/2018 15h

Corumbá tem surto de conjuntivite e Vigilância em Saúde alerta sobre automedicação.

"O mau hábito de não lavar as mãos, coçar os olhos, põe a mão na boca, coça outras partes do corpo e depois volta ao olho, tudo isso é um foco de contaminação", alertou ao destacar que evitar aglomerações também é uma medida preventiva.

Diário Corumbaense
 
 
Nos casos observados em Corumbá há características da conjuntivite viral.Nos casos observados em Corumbá há características da conjuntivite viral.

"Só um profissional é que vai poder indicar a forma correta de tratamento porque há três tipos da doença e para cada uma existe uma maneira de se tratar de forma eficaz", disse Viviane ao Diário Corumbaense, reforçando a importância de buscar atendimento médico em casos de surgimento de sintomas clássicos como: pálpebras inchadas, olhos vermelhos, coceira, secreção, entre outros.

A conjuntivite, que é a inflamação da conjuntiva, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular e o interior das pálpebras, pode atingir qualquer pessoa, independente da idade e, para evitar o contágio, o médico pediatra Emerson Moreira indica que cuidados básicos de higiene ajudam e muito na prevenção.

"O mau hábito de não lavar as mãos, coçar os olhos, põe a mão na boca, coça outras partes do corpo e depois volta ao olho, tudo isso é um foco de contaminação", alertou ao destacar que evitar aglomerações também é uma medida preventiva.

Segundo ele, nos casos observados em Corumbá há características da conjuntivite viral, aquela cujo calor e umidade ajudam a proliferação que permanece causando sintomas até 15 dias nas pessoas infectadas. Nesse caso, a secreção é mais esbranquiçada e aquosa, e atinge os dois olhos ao mesmo tempo, podendo ser acompanhada de espirros, febres, dor de garganta, o que leva muitos a confundi-la com uma gripe.

"É uma doença comum no verão quando todo mundo procura balneários, piscinas, isso agride muito o olho que fica exposto", disse o médico sobre a doença que ainda traz a sensação de areia nos olhos, sensibilidade à luz e pode deixar a visão embaçada temporariamente.

O uso do álcool gel também é indicado para a profilaxia da doença em situações quando o uso da água e sabão nas mãos não for possível. Evitar levar as mãos aos olhos também é primordial.

Além da conjuntivite viral, também há a causada por reações alérgicas e por bactérias. A automedicação com colírios é altamente não recomendada porque pode agravar o quadro, trazendo sérias complicações. Apenas médicos podem prescrever o uso de tais medicamentos, pois ele é capaz de avaliar qual o agente causador.

Sintomas

  • Olhos vermelhos e lacrimejantes;
  • pálpebras inchadas;
  • sensação de areia ou de ciscos nos olhos;
  • secreção purulenta (conjuntivite bacteriana);
  • secreção esbranquiçada (conjuntivite viral);
  • coceira;
  • fotofobia (dor ao olhar para a luz);
  • visão borrada;
  • pálpebras grudadas quando a pessoa acorda.

Prevenção

  • Evitar aglomerações ou frequentar piscinas de academias ou clubes;

  • lavar com frequência o rosto e as mãos, uma vez que estes são veículos importantes para a transmissão de micro-organismos patogênicos;

  • não coçar os olhos;

  • usar toalhas de papel para enxugar o rosto e as mãos, ou lavar todos os dias as toalhas de tecido;
  • trocar as fronhas dos travesseiros diariamente, enquanto perdurar a crise;
  • não compartilhar o uso de esponjas, rímel, delineadores ou de qualquer outro produto de beleza;
  • não se automedique.

Envie seu Comentário