19/10/2017 11h30

Outubro Rosa: câncer de mama também compromete a coluna vertebral

Estudo comprova que 75% dos tumores na coluna originaram-se do carcinoma mamário

Divulgação
 
 

De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer, estima-se que entre 2016 e 2017 sejam registrados quase 58 mil novos casos de câncer de mama. Dado alarmante pela sua gravidade e também pelo fato do carcinoma mamário estar diretamente ligado às metástases na coluna vertebral.

Segundo o estudo elaborado pelo especialista em ortopedia, traumatologia, cirurgia da coluna vertebral com aprimoramento oncológica e professor da Faculdade de Medicina Santa Marcelina, Dr. Luiz Cláudio Lacerda Rodrigues, o câncer de mama é o principal responsável por enviar metástases para a coluna vertebral, seja no segmento torácico ou lombar. A região é a mais afetada por esse tipo de tumores, com uma incidência de até 80% nos pacientes que possuem um câncer sistêmico. Esse processo ocorre, porque as células cancerosas se rompem do tumor original e percorrem o corpo, e são levadas para os ossos através do sistema linfático ou sanguíneo.

Durante o estudo também foi possível concluir que 75% dos tumores na coluna originaram-se da mama. "De acordo com as análises feitas, são raros os casos em que os tumores da coluna sejam oriundos das células que compõem a própria região, normalmente essa incidência ocorre quando são benignos, o que representa somente 10% do total de casos", explica Rodrigues.

Os sintomas do câncer na coluna, na maioria das vezes, costumam se concentrar na própria região. Pode haver dor, principalmente na região da vértebra acometida, ou ainda fraqueza hora de realizar movimentos. Em alguns casos, esses sintomas se alastram também para os braços e pernas, dependendo da sua localização. Algumas pessoas chegam a encontram dificuldade em urinar ou apresentam paralisia, geralmente em estágios mais graves. "No entanto, muitas vezes a dor pode ser confundida com outros problemas ou ainda com uma simples fratura da coluna e, por isso, é importante ficar atento aos demais sinais e procurar por um médico imediatamente. O diagnóstico é realizado com a ajuda de exames, como raio-x, tomografia e ressonância magnética, que permitem encontrar o tumor por meio das imagens", orienta.

Para o tratamento, a cirurgia pode ser indicada, pois assim é feita a remoção completa, em alguns casos, ou a reconstituição da coluna, o que é o mais comum, a fim de diminuir a dor e devolver certa mobilidade ao paciente. Sessões de radioterapia e quimioterapia também são necessárias, porém o tratamento do câncer na coluna pode variar muito de acordo com o caso, tipo de tumor, estágio, localização e riscos para o paciente. Deste modo, é necessária uma avaliação individual e multidisciplinar com ortopedista, oncologista, neurocirurgião, nutrólogo, fisioterapeuta e até mesmo psicólogo.

Dr. Luiz Cláudio Lacerda Rodrigues é mestre em medicina pela Unifesp e especialista em ortopedia, traumatologia e cirurgia da coluna vertebral pelo Hospital Santa Marcelina. Com aprimoramento cirurgia oncológica da coluna vertebral pelo Instituto Ortopédico Rizzoli. Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), professor da faculdade de medicina do Hospital Santa Marcelina e responsável pelo atendimento na Clínica L&L Ortopedia. https://www.facebook.com/Drluizclaudiolacerda | http://drluizclaudiorodrigues.com.br/

Envie seu Comentário