08/03/2018 07h20

'O Outro Lado do Paraíso': Beth bate em Clara e Patrick para beber. 'Preciso'

Alcoólatra e diagnosticada com cirrose, ela tenta sair de casa para consumir bebidas

Por: Tião Prado
 
 
Beth (Gloria Pires) enfrenta e bate em Clara (Bianca Bin) e Patrick (Thiago Fragoso) na tentativa de sair de casa para beber, na novela 'O Outro Lado do Paraíso' © Divulgação, TV GloboBeth (Gloria Pires) enfrenta e bate em Clara (Bianca Bin) e Patrick (Thiago Fragoso) na tentativa de sair de casa para beber, na novela 'O Outro Lado do Paraíso'
© Divulgação, TV Globo

Elizabeth (Gloria Pires) vai surtar com a abstinência de bebidas alcoólicas na novela "O Outro Lado do Paraíso" e chegará a agredir Clara (Bianca Bin) e Patrick (Thiago Fragoso) na tentativa de saciar o vício. Desesperada por não poder doar seu rim para Adriana (Julia Dalavia) devido ao diagnóstico de início de cirrose hepática, ela é aconselhada pela primogênita a se tratar para ter o fígado regenerado e, assim, conseguir ajudar no transplante da caçula, mas ela se desespera pela falta da substância. As cenas previstas para irem ao ar a partir do dia 2 de abril foram adiantadas pelo colunista Daniel Castro.

Tudo começa quando Beth é proibida pelo médico de fazer a doação por ter um problema de saúde. Se sentindo impotente diante da situação de sua herdeira, que corre risco de morte após a retirada de um rim com câncer maligno, e também culpada por estar doente devido às bebidas alcoólicas, ela fica fora de si e quebra todas as garrafas de um carrinho de drinks na casa de Clara. Chamada por Janete (Daniela Fontan), a milionária se assusta com o estado da mãe e Patrick pede que ela conte a verdade. "Eu bebo, Clara. Eu bebo. Ou melhor, bebia", admite, afirmando a proporção do problema. "Mais sério do que pode imaginar, Clara. Meus rins estão ótimos, eu seria uma excelente doadora. Mas meu fígado está comprometido. Início de cirrose", conta.

A mãe de Tomaz (Vitor Figueiredo) pede que Beth inicie um tratamento para que, com a saúde restabelecida, seja capaz de doar o órgão para a filha de Henrique (Emílio de Mello). Mas o empenho da ex-dona do bordel dura pouco tempo: os sinais de abstinência como ficar com as mãos trêmulas logo passam a ser visíveis e a alcoólatra suplica por bebidas. "Mudei de ideia. Não vai me trazer nada para beber? Se não quer me ajudar, vou sozinha. Eu me viro. Você não manda em mim. Sai da minha frente, sai", se desespera a dependente que pediu ajuda a Janete, tentando passar pelo casal. "Eu não vou deixar você sair. Se está se sentindo tão mal, nós a levaremos para o hospital", diz o advogado. "Eu não quero hospital. Quero só um trago, entenda! Pode ser vinho. Tem vinho?", implora Beth, sendo lembrada por Clara sobre o ato de fúria que a levou a quebrar todas as garrafas da casa. "Eu estava fora do meu normal. Me exaltei. Se eu beber uma dose ou duas, um gim-tônica, ficarei bem. Aos poucos vou me acostumar a beber menos", responde ela.

Junto de Patrick, de quem fica noiva em segredo, Clara insiste para que a mãe procure ajuda para controlar o vício e se oferece para custear um tratamento em alguma clínica de reabilitação, mas ela diz não ter tempo hábil para tentar uma melhora e só depois ajudar Adriana. "Tive clientes alcoólatras. Alguns se curaram e eu acompanhei o processo", fala o advogado, tentando dar otimismo à conversa. Beth, no entanto, é ríspida: "Eu não suporto seu jeito de bom. Você, todo certinho, ajuizado. Bom caráter. Sempre me aconselhando a parar de beber".

Revoltada por Clara e Patrick não cederem à sua vontade, Beth desabafa e se mostra decidida a deixar a mansão. "Procurei tanto por você. Minha filha tirada de mim ainda bebê. Finalmente encontrei. Agora quer mandar em mim, porque tem dinheiro. Eu estou na sua casa, vivendo graças ao que você tem. Mas não sou obrigada a fazer o que quer. Sai da minha frente. Os dois. Eu vou para a rua", diz a mulher que também foi repreendida por Renan (Marcello Novaes) devido ao excesso no consumo de bebidas alcoólicas. A ricaça diz que não tem como emprestar dinheiro nem cartão para a mãe por ter guardado em outro local, mas nem assim a mãe é convencida a permanecer em casa. "Eu consigo de algum homem. Um homem pode ser generoso com uma mulher. Está horrorizada? Ótimo. Sai da minha frente. Eu preciso beber", grita a ex-prostituta antes de bater na filha e no genro. Sem sucesso na tentativa de fuga, Beth encerra a sequência de cenas se arrastando no chão e afirmando que não conseguirá curar do vício.

Envie seu Comentário