A Embrapa Agropecuária Oeste, Embrapa Gado de Corte e Embrapa Pantanal organizaram o evento por meio de parceria entre as três Unidades. Também foram realizadas articulações e convites a chefes-gerais e adjuntos de outras Unidades para que no evento fossem identificadas oportunidades de parcerias.

“O protagonismo do agronegócio de Mato Grosso do Sul merece destaque e é o principal pilar da economia estadual”, com essas palavras o chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Harley Nonato de Oliveira, que foi o mediador, fez a abertura do evento on-line intitulado: “Os caminhos de MS: sustentabilidade, diversificação e produção”. O evento foi transmitido pelo Canal do YouTube, em 18 de novembro, às 15hs (BSB). Para assistir a palestra confira o link https://www.youtube.com/watch?v=Iwd64G1D_gU.

“Aqui se produz grãos (principalmente soja e milho), produtos florestais, cana-de-açúcar, além de carnes bovina, suína, de aves e tilápia. Esses produtos impulsionam a indústria e os serviços estaduais. Além disso, temos uma forte participação da agricultura familiar, tanto nos assentamentos rurais quanto em relação às populações tradicionais (mais de 60 mil indígenas e quilombolas), que se dedicam à produção leiteira, de mandioca e de frutas, à horticultura, entre outros produtos”, informou Harley.

A Diretora-Executiva de Inovação e Tecnologia, Adriana Regina Martin, destacou a importância do papel da Embrapa como uma instituição de pesquisa capacitada para contribuir com apoio na elaboração de políticas públicas sustentáveis. “Temos atualmente 43 Unidades da Embrapa no Brasil, sendo três delas localizadas em MS. Esse é um evento muito propício de ser realizado neste momento, especialmente após a COP-26, pois com essas informações poderemos identificar quais são as demais Unidades que possuem aderência às demandas de pesquisa do Governo e que podem contribuir com essa proposta. A Embrapa pode contribuir com o mundo trazendo soluções em favor da sustentabilidade e das questões relacionadas às mudanças climáticas”.   

A palestra foi proferida por Rogério Beretta, superintendente de Ciência e Tecnologia, Produção e Agricultura familiar, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) de Mato Grosso do Sul. Em entrevista, ele disse que “a expectativa, em termos de resultado, é de que toda a equipe da Embrapa, que tenha ações que se relacionam com os projetos estratégicos de desenvolvimento de Mato Grosso do Sul, possam participar e colaborar com o desenvolvimento sustentável do estado”. Segundo ele, os pesquisadores podem contribuir com projetos de pesquisas e transferências de tecnologias que vão subsidiar as políticas públicas estaduais. Ele destacou ainda a presença de 13 chefes de Unidades da Embrapa e da Diretora Executiva no evento on-line.   

Em sua apresentação, Beretta apresentou uma linha do tempo, demonstrando algumas ações e programas de Governo do Estado ao longo dos últimos 18 anos. 

Dentre as inovações, destacou a recente participação do estado na COP-26 e o compromisso de tornar Mato Grosso do Sul, até 2030, no Estado Carbono Zero. Ele falou ainda do resultado da pesquisa do Centro de Liderança Pública (CLP), que classificou o MS como o sexto estado mais competitivo do país, no ranking de competitividade dos estados, superando alguns mais antigos como: MT, MG, RS, GO e RJ.

Beretta falou ainda sobre o Plano Estadual de Manejo e Conservação de Solo e Água (Prosolo), que conta com diversos programas que envolvem as bacias hidrográficas dos seguintes rios: Miranda, Paraná, Taquari, Iguatemi e Amambai. Além disso, o Prosolo conta com os Programas: Pro Fertiliza MS e o Programa Estadual de Irrigação.

O superintendente falou sobre a ampliação e construção de novas rodovias, destacando a consolidação da Rota Biocêanica, por meio da construção da ponte que liga Porto Murtinho a Carmelo Peralta (Paraguai) e novas hidrovias. Apresentou ainda o plano de expansão da malha ferroviária que vai interligar Mato Grosso do Sul ao Porto de Paranaguá, com uma ferrovia que passará por oito municípios do estado, representando economia de 32% com transporte de grãos e outros produtos do agro.

Beretta falou de algumas parcerias público-privadas que possibilitarão o investimento em manutenção e construção de novas rodovias, em energia e em centrais de energia fotovoltaica no Pantanal, buscando levar qualidade de vida à população ribeirinha. Além disso, ele destacou que o Governo está focando na diversificação da matriz industrial, encadeamento produtivo e acesso a mercados internacionais.

Ele finalizou informando a necessidade do Governo de se aproximar cada vez mais da Embrapa e explicou que “assim estaremos alinhados as inovações e isso vai nos ajudar a continuar nos desenvolvendo de forma sustentável e conquistando essa importante meta até 2030” e acrescentando que “contamos com a participação da Embrapa nesse processo de desenvolvimento sustentável, pois a pesquisa é fundamental para embasar essas tomadas de decisão e estabelecimento de políticas públicas para o estado de Mato Grosso do Sul. Estamos vivendo um bom momento para o crescimento e a consolidação do agro estadual e contamos com a dedicação e participação da Embrapa nesse sentido”.

No encerramento, o chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Harley enfatizou que a Unidade, localizada em Dourados, tem muitas oportunidades de contribuir com o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul de forma sustentável, e acrescentou que “com esse início de caminhada, aliada ao conhecimento de toda a Embrapa, conhecemos melhor os planos do Governo de Mato Grosso do Sul e poderemos contribuir com informações científicas relevantes para o crescimento do estado”.

O chefe-geral da Embrapa Gado de Corte, Antonio do Nascimento Ferreira Rosa (Toti) em sua fala enfatizou que o estado evoluiu muito ao longo dos últimos anos e esse panorama apresentado por Beretta, em sua palestra, nos apresentou resultados do que já conquistamos e o que ainda temos oportunidade de crescer nos próximos anos. “Mato Grosso do Sul foi pioneiro na avaliação genética de zebuínos há mais de 45 anos ”, relembrou Toti.  

“Temos um potencial incrível para a produção de grãos, energia e matérias-primas. A Embrapa Gado de Corte também tem uma preocupação de contribuir com um estado com desenvolvimento harmônico, para uma sociedade vibrante, com maior qualidade de vida a todos, e estamos trabalhando para isso. A Carne Carbono Zero é um resultado disponível e uma realidade da Embrapa para MS e que deve avançar ainda mais”, informou Rosa.

“A oportunidade que se abre para a ciência e tecnologia em Mato Grosso do Sul, por meio desta palestra de hoje, certamente resultará no surgimento de novas propostas de trabalho e projetos de pesquisa em conjunto”, comemorou o chefe-geral da Embrapa Pantanal, Jorge Lara. Ele destacou que, atualmente, a Embrapa conta com um ambiente muito propício para fomentar a ciência e tecnologia no estado e frisou que “a Unidade está pronta para acompanhar essa locomotiva que é Mato Grosso do Sul”. 

Ao final do evento, Harley agradeceu a participação do palestrante, de todas Unidades que se fizeram presentes e atenderam a esse chamamento e as perguntas do público, feitas via chat. Destacou que essa integração de esforços e competências pode ser vista em um projeto que foi submetido ao Edital de Pesquisa Chamada Fundect N° 18/2021 – MS Carbono Neutro, que consiste na seleção de Projetos de Pesquisa e Inovação que contribuam para a neutralização das emissões de Gases Efeito Estufa em Mato Grosso do Sul e que, caso sejam aprovados, deverão ter início em 2022.

Comentários