O casal se relacionou por dois anos e meio, não tem filhos juntos e estão separados há dez dias.

Mesmo com medida protetiva, uma autônoma de 41 anos teve que passar a noite na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) em Campo Grande para fugir de perseguição do ex-marido, coronel do Corpo de Bombeiros.

O casal se relacionou por dois anos e meio, não tem filhos juntos e estão separados há dez dias. “Ontem ele tentou abrir o portão da minha casa e me xingou de vários nomes. Fui para a residência da minha mãe. Ele me seguiu. Chamei a Guarda Municipal e eles me trouxeram para dormir aqui. Estou virando cliente da delegacia”, contou.

Em entrevista à reportagem nesta manhã na Deam, a vítima contou que já foi agredida três vezes pelo o ex. “A primeira vez foi no dia 17 de março do ano passado. Eu estava operada, acamada e não registrei boletim de ocorrência. Ele me deu muito tapa no rosto e bateu, por várias vezes, a minha cabeça contra a parede”, disse.

Segundo ela, a briga foi por causa do presidente Jair Bolsonaro. “Ele é Bolsonaro roxo. Eu sou contra e dentro de casa era ele quem mandava, eu não podia opinar em nada”, lamentou. A segunda agressão foi no dia dos Pais, 8 de agosto daquele mesmo ano. “Continuamos juntos porque ele prometeu que não ia mais me agredir, mas não tem jeito. Ele é agressivo”, disse.

A autônoma disse que tem ido com frequência à delegacia por causa das perseguições sofridas pelo ex. “No dia que eu saí de casa, ele seguiu o caminhão de mudança e descobriu o meu novo endereço”, lamentou. Ele quer voltar, foi atrás do meu avô pedindo para ele me convencer a reatar o casamento”, contou. Dessa vez mais um registro foi confeccionado e o caso segue sob investigação.

Fonte: Campograndenews

Comentários