Ponta Porã, Segunda-feira, 26 de junho de 2017
11/01/2017 14h

Abandono do CCZ retrata descaso com a saúde pública em Ponta Porã

O mato toma conta de todo o pátio.

Divulgação: Dora Nunes
 
 

Uma calamidade. Assim pode ser definida a situação em que se encontra o Centro de Zoonoses de Ponta Porã. O órgão, que tem como atribuição fundamental prevenir e controlar as zoonoses como raiva, leishmaniose, além da dengue e doença de chagas, desenvolvendo sistemas de vigilância sanitária, epidemiológica e ambiental em saúde, está abandonado desde maio do ano passado.

É o retrato do descaso com que foi tratada a saúde pública nos últimos quatro anos. No pátio o cenário é desolador. Os dois veículos que serviam para recolher animais nas ruas estão cobertos de poeira. Deteriorados, foram abandonados na garagem do CCZ e estão sendo corroídos pela ferrugem.

Ao lado, todas as instalações que deveriam ser utilizadas para acolhimento e tratamento de animais abandonados nas ruas passaram a ter outra finalidade: depósito de sucata hospitalar. Restos de aparelhos e equipamentos – muitos que ainda poderiam ser utilizados em alguma unidade de saúde mantida pela Prefeitura _ foram literalmente jogados. O local mais parece um cemitério de equipamentos.

O mato toma conta de todo o pátio. O capim está tão alto que encobre qualquer pessoa que se arrisca a andar pelo local.

Tanto abandono chamou a atenção do prefeito Hélio Peluffo que visitou o local e ficou revoltado com o que viu: "isso aqui é o retrato do descaso com que a saúde pública foi tratada nos últimos anos em Ponta Porã. Temos que encontrar um jeito de recuperar o que for possível e colocar o CCZ em funcionamento, pois a população não pode ficar desassistida", afirmou Hélio.

O secretário municipal de saúde, Patrick Derzi lamentou a situação e descreveu a importância do Centro de Controle de Zoonoses para o município: "o CCZ é o órgão responsável pela prevenção e combate a doenças como a leishmaniose. Também deveria abrigar os responsáveis pelo controle da dengue e outras doenças provocadas pelo mosquito aedes aegypti".

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, entre os meses de novembro e dezembro do ano passado, foram notificados 2.870 casos de dengue em Ponta Porã. 583 foram confirmados.

Segundo o secretário, o abandono do CCZ coloca a população em risco duplamente: a falta de controle de doenças transmitidas por animais e ainda a própria comunidade do bairro São Vicente de Paula, onde o CCZ está instalado: "as pessoas, principalmente crianças, poderiam entrar e ficar expostas a riscos de contaminação, pois até lixo hospitalar foi ‘desovado’ aqui".

O prefeito Hélio Peluffo determinou a realização de um levantamento em caráter emergencial para apontar o que precisa ser feito para que o CCZ possa voltar a funcionar o quanto antes.

Envie seu Comentário