Douradosnews

Conforme o órgão, a pessoa pode ter abandonado também devido ao animal ter perdido as penas por estresse.

No domingo (19), uma arara Canindé foi resgatada no centro de Nioaque.  É provável que o animal estava em posse de alguém e depois tenha sido abandonado. 

Policiais militares ambientais de Jardim foram acionados por moradores do centro da cidade de Nioaque por volta das 16h30, para atender a uma ocorrência relativa a um animal silvestre da espécie Ara ararauna (Arara-canindé) que estaria dentro de uma caixa em um terreno baldio.

Os policiais foram ao local e verificaram que o animal estava sem as penas, apesar de aparentemente bem de saúde e que fora abandonado por alguém, provavelmente por medo de denúncia, haja vista que o animal é muito barulhento e é muito comum os vizinhos denunciarem.

Conforme o órgão, a pessoa pode ter abandonado também devido ao animal ter perdido as penas por estresse. Normalmente essa falta de pena acontece em estresse de cativeiro, quando o próprio animal arranca suas penas até onde o bico alcança. Pode haver perda de pena ainda por alimentação inadequada.

A ave foi resgatada e será encaminhada ao Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), na Capital.

Alerta

A PMA alerta às pessoas que possuir animais silvestres ilegalmente em cativeiro trata-se do mesmo crime de tráfico, ou seja, de quem vende. A pena é de seis meses a um ano de prisão, ou um ano e meio, caso o animal se encontre na lista de espécies em extinção, nacional ou internacional. A lógica da Lei é de que, se não houver o comprador de animal ilegal, há uma dissuasão ao tráfico, pois o traficante não tirará o bicho na natureza se não houver para quem vender.

Além de prisão, a multa é de até R$ 5 mil por animal, como no caso da arara, que consta na lista internacional de proibição do comércio de espécies da fauna e da flora em risco ou ameaçada de extinção (Cites).

Comentários