Os humores no Brasil andam exaltados. Chacrinha, o velho guerreiro, dizia: “Quem não se comunica, se estrumbica”. Aproveito o estrumbica, que significa se complica, e dizer: país onde só tem briga, todo mundo se estrumbica.

Estamos em uma fase complicada. Acabei de formar 40 alunos internacionais, nesta semana. Jovens da África, Ásia, Europa, de todos os continentes. Um master science em food agribusiness management. Gestão de agronegócio e alimentos.

Esses jovens chegam para estudar sobre o Brasil e vêm com uma percepção muito ruim, de que produzimos carne desmatando a Amazônia, de que nossa agricultura é intensiva e que esgota os recursos naturais; uma péssima imagem. Depois de três meses com aulas ministradas por professores e especialistas do Brasil, eles escrevem nas suas apresentações de avaliação finais: “o governo brasileiro e a política roubam a boa imagem das realidades brasileiras. O Brasil é muito melhor do que parece”.

A ilegalidade de 5% na Amazônia acaba sendo usada por vozes brasileiras como “vocês não têm nada que se meter nisso, pois já desmataram toda a Europa”. Quer dizer, não comunicamos, afrontamos os clientes.

Um assunto velho, alguém disse no exterior: “Florestas aí, agricultura aqui”, e logo respondemos ao ataque generalizando como se o mundo lá fora estivesse contra nós. Supermercados fazem restrições a produtos do Brasil pelas barreiras de reputação. Logo esbravejamos aqui que isso não passa de concorrentes inimigos para nos prejudicar.

O agronegócio precisa de um pacificador. Lideranças que não adorem a ideia da briga de rua, dos palavrões e do fazer a guerra.

Falar mal da China, hoje nosso maior parceiro, que tem sustentado nossa economia nas importações e, ainda mais, de quem dependemos de princípios ativos para vacina e também defensivos agrícolas, é no mínimo uma burrice comercial astronômica. Falar mal da Europa, nosso segundo maior cliente, é outra imprudência.

Dentro do país, diversas entidades não se entendem e também brigam entre si, colocando política e ideologias no molho da separação. Quando as palavras “clima” e “meio ambiente” são pronunciadas em vão e todos se esquecem de falar do plano ABC +, o sonho de consumo de qualquer consumidor de qualquer parte do planeta. E temos aqui. O Brasil precisa de pacificação.

Aos que querem o comércio, que tapem os ouvidos aos briguentos como Ulisses, na Odisseia, voltando para casa depois da Guerra de Tróia o fez para não ouvir o canto das sereias. No caso dos briguentos brasileiros, não seria exatamente o canto, e sim berros e palavrões de espíritos zombeteiros e mal-educados.

Dentro do agronegócio do país, a fruticultura que vai in natura ao mundo precisa ser protegida. A nossa reputação como marca Brasil será sagrada para que um consumidor do mundo saboreie um cacho das nossas uvas, um mamão com limão, coma uma banana, cuja embalagem já nasce com ela e esparrame pelos seus lábios uma laranja de mesa, a melancia, além de morder suavemente as nossas maçãs, o melão e os frutos do sertão.

A sensorialidade das frutas brasileiras se tornará realidade a partir da imagem assegurada da nossa origem. A Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de Frutas e Derivados (Abrafrutas) e seu presidente, Guilherme Coelho, têm plena consciência dessa missão.

Ao Brasil, a paz. Que Alysson Paolinelli receba o Nobel da Paz, com sua obra da agricultura tropical, e que possa simbolizar a pacificação, pois precisamos de um pacificador. A tortura mental nos destrói e cria obstáculos comerciais. Como o poeta Luís de Camões escreveu e repito: “Quem faz o comércio, não faz a guerra”.

E como os jovens alunos internacionais afirmam: “o Brasil é muito melhor do que parece”.

Por José Luiz Tejon Megido, mestre em Educação Arte e História da Cultura pelo Mackenzie, doutor em Educação pela UDE/Uruguai e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Comentários