11 C
Ponta Porã
sexta-feira, 19 de agosto, 2022
InícioBrasil & MundoBarroso alerta para momento delicado da democracia no mundo

Barroso alerta para momento delicado da democracia no mundo


“O mundo vive um momento muito delicado na preservação dessa que, talvez, seja a grande conquista da nossa geração, que foi a democracia e as responsabilidades que nós temos em protegê-la”. A afirmação foi feita pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, ao apresentar a palestra “A Democracia sob Pressão: o que está acontecendo no Brasil e no Mundo”, promovida pela Escola da Magistratura da Associação dos Juízes do Rio Grande do Sul (Ajuris) e apoiado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), nesta segunda-feira (6).

Na exposição, Barroso pontuou a evolução da democracia constitucional e traçou um panorama do passado, do presente e falou sobre o futuro do regime democrático no Brasil e no mundo. “A democracia foi a ideologia vitoriosa do Século XX, superando o comunismo, o fascismo, o nazismo e, mais recentemente, o fundamentalismo religioso”, destacou ele.

Para o ministro, o conflito na democracia, muitas vezes resolvido pelas Supremas Cortes constitucionais, “deve ser absorvido de maneira institucional e civilizada”. “Quem pensa diferente de mim não é meu inimigo, é meu parceiro na construção de uma sociedade plural”, salientou.

Nesse ponto, Barroso lembrou que as Cortes Constitucionais existem justamente para “proteger as regras do jogo democrático e os direitos fundamentais”, limitando o poder da maioria e coibindo eventuais abusos contra as minorias com base na Constituição.

Recessão democrática

No entanto, o presidente do TSE afirmou que, ultimamente, parece que vivemos no mundo um quadro de recessão democrática, impulsionada pelo avanço do populismo, do extremismo e do autoritarismo. Como exemplos de países em que se pode verificar essa erosão da democracia, em maior ou menor grau, Barroso citou a Hungria, a Polônia, a Turquia, a Rússia, a Venezuela, a Nicaraguá e, mais recentemente, El Salvador. Segundo o ministro, quando o populismo, o extremismo e o autoritarismo começam a preponderar, “a democracia entra em colapso”.

Ele assinalou também que essa erosão democrática não acontece, atualmente, a partir de golpes de Estado. “Essa erosão vem sob a forma de líderes políticos eleitos pelo voto popular e que, tijolo após tijolo, começam a destruir os pilares da democracia”, disse Barroso, afirmando que tais lideranças, após empossadas, começam a tomar medidas populistas do “nós contra eles” e de cunho autoritário que acabam por afetar a democracia.

Pobreza e falta de pertencimento

Segundo o ministro, todos os países precisam estar atentos ao processo histórico presente, pois “há um déficit de legitimidade democrática em todo o mundo”.  Segundo ele, pessoas vivem em situações de pobreza e desigualdade extremas, e isso contribui para o descrédito da democracia. Ele salientou também o problema da apropriação do Estado por determinadas elites.  “A democracia precisa encontrar novos caminhos de representação”, sustentou o ministro.

“A pobreza extrema e a apropriação privada do Estado gera um sentimento de não pertencimento à democracia”, disse ele, ao lembrar que precisamos enfrentar a pobreza e a educação básica é o principal caminho para esse enfrentamento.

Mídias sociais

Na palestra, o ministro destacou que a expansão das mídias digitais multiplicou velozmente a disseminação de ideias e opiniões, inclusive, infelizmente, as nocivas à democracia e às instituições constituídas.

Barroso mencionou uma pesquisa do Senado Federal que revelou que, hoje, 79% das pessoas se informam pelo WhatsApp, 50% pela televisão e 49% pelo YouTube. “E a disseminação de notícias deliberadamente falsas é um problema para a democracia”, disse, reforçando que o fenômeno da desinformação deve ser enfrentado por toda a sociedade.

Eleições de 2022

Barroso afirmou que as Eleições de 2022 serão realizadas normalmente em outubro. O ministro assinalou que o TSE e a Justiça Eleitoral souberam sobrepujar as vozes antidemocráticas que se levantaram na forma de ataques a ministros e às instituições públicas e de desinformação contra a própria JE, o sistema de voto digital e as urnas eletrônicas.

Agradecimento

A mesa do evento foi composta pela diretora da Escola da Magistratura da Ajuris, Patrícia Antunes Laydner, por outros integrantes da entidade e magistrados do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região e do TJ estadual.

EM/CM, DM

Fonte: TSE

MAIS LIDAS