O Caminhos da Reportagem, programa da TV Brasil, venceu a categoria especial – Doenças Tropicais Negligenciadas do 3º Prêmio NHR de Jornalismo com o episódio Leishmaniose, retrato do abandono, da repórter Ana Graziela Aguiar de Oliveira. A premiação reconhece reportagens produzidas na área de medicina tropical.Caminhos da Reportagem vence 3º Prêmio NHR Brasil de JornalismoCaminhos da Reportagem vence 3º Prêmio NHR Brasil de Jornalismo

No ar há mais de 10 anos, o Caminhos da Reportagem é uma das produções jornalísticas mais premiadas não só da TV Brasil, como também da televisão brasileira. É com orgulho que a jornalista Ana Graziela recebe o prêmio, resultado de reportagem sobre uma doença acerca da qual não se fala muito.

“Nós cumprimos a nossa missão como uma televisão pública, como comunicação pública, e continuaremos trabalhando por mais conteúdos que levem às pessoas informação e serviço, para que elas possam aprender e se informar por meio da TV Brasil, e em especial, pelo Caminhos da Reportagem. Muito orgulho da nossa equipe, que é uma família. Muito orgulho por ganhar mais esse prêmio”, disse Ana Graziela.

Assista à íntegra do episódio

O programa

Contar grandes histórias, com uma visão diferente, instigante e completa. É essa a missão do Caminhos da Reportagem, um dos mais tradicionais programas jornalísticos da TV Brasil.

Saúde, economia, comportamento, educação, meio ambiente, segurança, prestação de serviços, cultura e outros tantos temas são abordados de maneira única, levando conteúdo de interesse para a sociedade. Tudo isso com a diversidade regional em pauta e equipes em Brasília, no Rio de Janeiro e em São Paulo.

O trabalho minucioso e bem executado é reconhecido no meio jornalístico. Nos últimos dez anos, o programa acumulou mais de 55 prêmios e 25 indicações em importantes premiações de excelência nacional e internacional tais como o Prêmio CICV de Cobertura Humanitária Internacional (Comitê Internacional da Cruz Vermelha), o Prêmio de Comunicação da CNBB, Prêmio Longevidade Bradesco Seguros, Prêmio Synapsis de Jornalismo e Prêmio TAL – Televisión America Latina, entre outros.

O prêmio

O prêmio recebeu 21 inscrições, em cinco categorias. Dentre elas, a nova categoria especial de Doenças Tropicais Negligenciadas, contemplando reportagens que abordaram a realidade de outras enfermidades, como doença de Chagas e a leishmaniose.

Desde 2018, o Prêmio NHR Brasil de Jornalismo busca reconhecer e estimular um olhar atento dos profissionais de comunicação para o tema da hanseníase em seus diversos aspectos, do desafio no controle da transmissão às dinâmicas sociais envolvidas.

Linguagem jornalística, aspectos éticos e inovadores e a qualidade das informações de saúde foram analisadas pela comissão julgadora. Integraram a comissão o jornalista Miguel Macedo, professor do curso de Jornalismo do Centro Universitário 7 de Setembro, e a jornalista Yanna Guimarães, mestre em Comunicação de Ciência pela Universidade de Nova Lisboa.

Também integraram a comissão julgadora o infectologista Alberto Novaes Ramos Jr, coordenador do doutorado em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Ceará (UFC), a professora Sacha Nogueira, orientadora da Liga Acadêmica em Doenças Estigmatizantes (Lades/UFC), e Luiz Antônio Botelho Andrade, coordenador do Laboratório de Audiovisual Científico da Universidade Federal Fluminense (UFF).

A NHR Brasil é o escritório de representação da NLR (Netherlands Leprosy Relief), uma organização não-governamental (ONG) holandesa fundada em 1967 para combater a hanseníase em 14 países ao redor do mundo. A NLR trabalha por um mundo livre do sofrimento causado pela hanseníase e pela deficiência física através da promoção e apoio para a detecção precoce e tratamento integral, a prevenção das incapacidades e a reabilitação física.

Fonte: EBC Saúde

Comentários