17.7 C
Ponta Porã
domingo, 21 de abril, 2024
InícioBrasil & MundoDono de Porsche diz que dirigia "um pouco acima do limite"

Dono de Porsche diz que dirigia “um pouco acima do limite”

Fernando Sastre na chegada ao 30ºDP, no Tatuapé; acidente aconteceu no domingo (31) e ele deixou o local
Reprodução / TV Band

Fernando Sastre na chegada ao 30ºDP, no Tatuapé; acidente aconteceu no domingo (31) e ele deixou o local

O empresário Fernando Sastre de Andrade Filho, motorista do Porsche que matou o motorista de aplicativo Ornaldo da Silva Viana, após bater em seu Renault Sandero na madrugada de domingo (31) , disse em seu interrogatório à Polícia Civil que saía de uma casa de poker com um amigo e que dirigia “um pouco acima do limite” de 50 km/h da via.

As afirmações foram feitas na tarde de segunda-feira (1º), depois de Fernando se apresentar no 30º Distrito Policial (DP) , no Tatuapé, responsável pela investigação do acidente que ocorreu na Avenida Salim Farah Maluf, também na Zona Leste da capital paulista.

Quer ficar por dentro das principais notícias do dia? Clique aqui e faça parte do nosso canal no WhatsApp


Fuga do local

Segundo informações fornecidas pela Secretaria de Segurança Pública (SSP/SP) ao Portal iG por e-mail, Fernando foi indiciado criminalmente por homicídio doloso, lesão corporal e fuga de local de acidente.

Mas em seu depoimento, ele nega a versão da PM. Disse que foi o “último a sair do local com sua mãe” e que seu amigo e o Ornaldo já tinham “sido socorridos”. O colega foi levado para o Hospital São Luiz do Tatuapé. O rapaz também será ouvido pela investigação.


Prisão negada

Após Fernando se apresentar no 30º DP, a polícia pediu sua prisão preventiva , pois, para o delegado do caso, Nelson Vinicius, “ele usou o carro como arma”, mas a Justiça negou a solicitação com o argumento que o motorista já havia se apresentando na delegacia e dado depoimento.

A defesa de Fernando, feita por um escritório particular de advocacia, divulgou nota à imprensa informando que seu cliente não bebeu e que o acidente foi uma “fatalidade.”

Fonte: Nacional