Reinaldo Azambuja (esquerda) e Marquinhos Trad (direita). (Foto: Marcos Ermínio/Arquivo)

“Vamos ter o momento certo para discutir”, diz Marcos Trad sobre pré-candidatura anunciada por Kassab.

Após ter sido anunciado com pré-candidato do PSD ao Governo do Estado, o prefeito de Campo Grande Marcos Trad comentou estar lisonjeado com as falas do presidente nacional do partido, Gilberto Kassab, durante um evento realizado no domingo (24), no Rio de Janeiro.

O chefe do executivo municipal agradeceu a indicação e como ficou feliz ao ser lembrado por alguém tão notório. “Isso é algo muito bom, estou sendo lembrado por alguém referenciado e isso é resultado do meu trabalho que vem sendo feito e reconhecido por toda a cidade e pelo Estado”, diz Marcos.

Apesar de desviar sempre do assunto, quando se trata de eleições de 2022, Marcos Trad parece estar gostando de estar sob os holofotes e pontuou que está preparado para os desafios futuros. “Vamos ter momentos para se discutir isso, mas eu estou preparado para o que vier, tenho a ficha limpa e estamos discutindo isso dentro do partido aqui no Estado, então ficaremos com quem estiver bem na pesquisa”, destacou. 

O anúncio

Kassab referenciou o senador e também líder do PSB em MS, Nelson Trad Filho e falou sobre a candidatura do irmão a majoritária estadual. 

“Teremos a candidatura do seu irmão que, assim como você que foi um extraordinário prefeito, reeleito, está sendo hoje o Marquinhos Trad um dos prefeitos mais bem avaliado do País, e será o nosso candidato a governador do Mato Grosso do Sul”, disse Gilberto Kassab.

Para poder se candidatar a governador, Marquinhos Trad, cujo mandato vai até dezembro de 2024, precisaria renunciar ao cargo de prefeito da Capital em abril do próximo ano, entregando o cargo a Adriane Lopes (Patriota) atual vice-prefeita.  

Alianças

Questionado sobre o anúncio da pré-candidatura, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) voltou a dizer que política não se faz sozinho e que cada partido escolherá a sua melhor opção. “A política é dinâmica e isso é um desejo do presidente do PSD. Essas decisões vão ocorrer no ano que vem, ninguém faz política sozinho, nem o PSD e nem o PSDB.  Ainda acredito muito nas alianças, nas propostas,  programas de governo, mas até o momento, cada um sabe quais serão suas articulações, quem serão seus candidatos. Como no PSDB temos o Riedel, o PSD poderá ter o Marquinhos”, disparou.

Se a candidatura de Marquinhos ao governo se confirmar, chega ao fim a parceria eleitoral do PSD com o PSDB no Estado, que existe desde as eleições de 2014.

Fonte: Correio do Estado

Comentários