Foto: Divulgação/PF

A ação contou com o emprego de 130 policiais federais que cumpriram 30 mandados de busca e apreensão e 10 mandados de prisão preventiva.

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (17/05), nas cidades de Ponta Porã/MS e Campo Grande/MS, a Operação Fênix, que investigou Organização Criminosa voltada para o tráfico internacional de entorpecentes e lavagem de dinheiro.

Segundo as investigações, o grupo criminoso era responsável por internacionalizar o entorpecente conhecido como maconha, a partir da cidade de Pedro Juan Caballero/PY, cujos carregamentos tinham como destino inicial a cidade de Campo Grande/MS. A droga posteriormente era encaminhada para outros estados do Brasil. Além disso, a organização criminosa realizava a lavagem dos valores obtidos ilicitamente com a venda do entorpecente, através do comércio e financiamento de veículos utilizando para tanto empresas localizadas nesta capital.

No transcurso das investigações foram realizadas 12 (doze) apreensões de carregamentos de entorpecentes, os quais totalizaram cerca de 21 (vinte e uma) toneladas de maconha, além de 18 (dezoito) integrantes da ORCRIM presos em flagrante delito por tráfico de drogas. Ainda foi apreendida a quantia de R$ 68.546,00 em espécie durante as abordagens.

Os mandados expedidos pela 5ª Vara Federal de Campo Grande/MS buscam confirmar a ligação entre os membros da organização criminosa, reforçar os indícios de lavagem de dinheiro, apreender bens de alto valor e individualizar a conduta de cada agente.

Ponta Porã: PF realiza operação para combater organização criminosa, em Campo Grande e na fronteira
Foto: Divulgação/PF

As medidas judiciais ainda contemplam o sequestro e indisponibilidade de diversos bens móveis, imóveis e valores financeiros relacionados aos integrantes do grupo criminoso.

Os investigados poderão responder pelos crimes de organização criminosa (art. 1º, § 1º, da Lei n.º 12.850/13), tráfico internacional de entorpecentes (art. 33 c/c 40, I da lei 11.343/2006) e lavagem de dinheiro (art. 1º da lei 9613/98).

O nome da operação faz referência ao significado de FENIX, ressurgimento das cinzas, haja vista que boa parte da organização criminosa foi investigada e presa no ano de 2009 pela DRE/DRCOR/SR/PF/MS na Operação Litoral pela prática dos mesmos crimes investigados.

Em razão da situação de pandemia da COVID-19, foi planejada uma logística especial de prevenção ao contágio, com distribuição de EPIs  a  todos  os  envolvidos  na  missão,  a  fim  de preservar a saúde dos policiais, testemunhas, investigados e seus familiares.

Divulgação: PF

Comentários