Os institutos de Meteorologia estimam que para as próximas três semanas o acumulado de chuvas na região do Pantanal não deva ultrapassar 17 milímetros.

Provocada pela ANA (Agência Nacional de Águas), reunião remota com cerca de 90 participantes – entre autoridades, gestores e técnicos – discutiu durante toda a tarde desta terça-feira (22) a situação da seca na região do Pantanal. Os secretários de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul, Jaime Verruck, e do Mato Grosso, Mauren Lazzaretti, apresentaram as preocupações dos dois estados com os incêndios que já destruíram cerca de 3 milhões de hectares de vegetação pantaneira e a escassez de chuvas que reduziu consideravelmente o nível de água dos rios, prejudicando a navegação e já ameaçando o abastecimento em algumas cidades.

“Chegamos ao consenso, ouvindo as avaliações técnicas, que a situação da seca vai se agravar nas próximas três semanas, embora eu entenda que só teremos a normalidade das chuvas em três meses. Sendo assim, e mantendo todo o aparato que já disponibilizamos para fazer o combate aos incêndios, vamos continuar sofrendo, já queimaram 3 milhões de hectares e não sei mais quanto vai queimar. A situação é bastante grave”, disse Verruck.

Preocupação com as queimadas leva Agência Nacional de Águas a criar Sala de Crise do Pantanal

Análises de técnicos da Embrapa Pantanal, do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), do CEMADEN (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais), do CPRM (Serviço Geológico do Brasil), e do ONS (Observador Nacional do Sistema Elétrico), foram unânimes ao retratar a atual situação de baixa pluviosidade como a mais grave das últimas décadas na região do Pantanal, o que leva a redução do volume dos rios e cria o ambiente propício a desastres como os incêndios.

Ante o problema, foi instalada a Sala de Crise do Pantanal, sob a liderança da Agência Nacional de Águas e envolvendo técnicos, autoridades ambientais dos dois estados e representantes de organizações civis que atuam na área, para tomada de soluções capazes ao menos de mitigar os efeitos da crise hídrica. “O objetivo é nivelar informações, promover a articulação de atores e coordenar ações de gestão de recursos hídricos para enfrentar o que vem se configurando como a pior seca já registrada na região”, resumiu Verruck.

A Sala de Crise do Pantanal vai se reunir novamente, de forma remota, no dia 1º de outubro, quando já devem ser propostas ações concretas para enfrentamento do problema, de forma coordenada e conjunta. Por enquanto não há risco de desabastecimento das cidades que dependem dos principais rios do entorno pantaneiro, entretanto, a navegabilidade do rio Paraguai já foi afetada e deve piorar nos próximos dias. Relatório apresentado pela Capitania da Marinha instalada em Ladário prevê que o nível do rio Paraguai, que já atinge a marca mais baixa na régua existente naquele ponto desde 1947, vai continuar baixando.

Os institutos de Meteorologia estimam que para as próximas três semanas o acumulado de chuvas na região do Pantanal não deva ultrapassar 17 milímetros, insuficiente para apagar os focos de incêndio. As temperaturas devem subir e a mistura de calor e baixa umidade é propícia para o fogo se alastrar.

Fonte: Portal do MS

Comentários