7 C
Ponta Porã
domingo, 14 de julho, 2024
InícioAgronegóciosPresidente do BB diz que “não há que se falar em crise...

Presidente do BB diz que “não há que se falar em crise no agro”

A presidente do Banco do Brasil, Tarciana Medeiros, disse que apesar dos problemas, a produção agropecuária deve alcançar um novo recorde na safra 2024/25. “Não há que se falar em crise no agro”, afirmou categoricamente.

Segundo Medeiros, a queda dos custos de produção, que reduz a necessidade de empréstimos por parte dos produtores, não deverá impactar a demanda por crédito. Ela destacou que o Banco do Brasil está preparado para liberar R$ 260 bilhões no ciclo 2024/25, um recorde histórico para a instituição.

O banco pretende recuperar parte da participação perdida na oferta de recursos com subvenção direta da União. Para a safra 2024/25, o BB prevê distribuir mais de 40% dos R$ 138,2 bilhões em recursos equalizados. No início da safra anterior, a participação do banco era de 25%, mas alcançou 37% ao fim do ciclo após remanejamentos.

A presidente descartou a necessidade de uma ampla repactuação de dívidas rurais no Rio Grande do Sul. Em vez disso, o banco avaliará cada caso individualmente. Até 14 de agosto, o BB suspendeu a cobrança de R$ 4,5 bilhões em parcelas de empréstimos para produtores afetados.

Medeiros reconheceu que eventos climáticos extremos, como enchentes no Rio Grande do Sul, seca na Amazônia e queimadas no Pantanal, causam preocupação. No entanto, ela destacou que o banco conta com a maior seguradora especializada em agro da América Latina e diversas parcerias para garantir a oferta de seguro agrícola.

A inadimplência no crédito rural, que era de 0,47% em junho de 2022, subiu para 1,19% no primeiro trimestre de 2024. Medeiros considerou esse aumento como uma “acomodação” aos níveis pré-pandemia e afirmou que o risco no agro permanece dentro da normalidade.

O Banco do Brasil já sente os efeitos positivos do novo marco de garantias, sancionado pelo governo no ano passado, principalmente na concessão de crédito para a compra de veículos. Além disso, a instituição espera registrar R$ 1 bilhão em dívidas renegociadas até 12 de julho no âmbito do programa Desenrola Pequenos Negócios, voltado aos microempreendedores individuais (MEIs), microempresas e empresas de pequeno porte.

Fonte: Pensar Agro