As mudanças, independente da natureza causam no mínimo um desconforto. Isso porque nos retiram da zona de conforto e nos lançam em um direção desconhecida. É comum ficarmos ansiosos, estressados e em alguns casos pode até surgir doenças emocionais. Se para nós adultos pode ser anelante, imagina para as crianças? Para que esse processo seja tranquilo e saudável é importante seguir algumas recomendações.

CONTE A VERDADE, COM POSITIVIDADE!

Explicar os motivos da mudança é importante para que a criança compreenda a causa dessa transição. Mas independente da situação fale para ela de uma maneira que seja positiva, ressaltando as vantagens que terão no novo lar. Tente visitar a nova casa, mas se não for possível façam pesquisas na internet, fale da vizinhança, da cidade em geral. Essa familiarização ajudará a se situar e compreender melhor o processo de comuta, assim como diminuir o sentimento de preocupação com o que está por vir. Fazendo com que ela crie uma expectativa positiva pelo novo lugar.

DÊ EXEMPLO!

A médica Liubiana de Araújo em uma entrevista para a jornalista Fernanda Montano nos diz: “A criança se acostuma com a rotina, que é confortável e a base dela para enfrentar outros desafios. Com uma mudança, ela pode perder esse chão”. (CRESCER, 2018).

Nos meus artigos defendo sem exceção que somos os exemplos para os nossos filhos e nesta situação não será diferente. Eles percebem o clima, sentem o estresse ou a alegria envolvida no processo de mudança. Eles são afetadas por nossas atitudes, sejam positivas ou não. Por isso, transmita segurança e tranquilidade.

E MEUS AMIGOS?

Eu nunca mais vou ver meus amigos? Nesta interrogativa você pode informar que futuramente poderá reencontrar os amigos, mas enquanto isso a internet é uma ótima ferramenta de aproximação podendo manter o contato pelo meio virtual. Mas é importante salientar que no novo lar também fará novas amizades, assim como na nova escola, aumentando ainda mais sua rede de contatos.

O LÚDICO COMO ALIADO NO PROCESSO DE MUDANÇA!

Histórias, filmes, desenhos são recursos importantes na hora de explicarmos qualquer situação para os nossos pequenos. Segue algumas dicas de filmes e livros que podem elucidar esse tema:

Filmes: Toy Story; Divertida Mente; BoyHood; As aventuras do avião vermelho;

Na literatura temos um livro muito interessante “Eloísa e os bichos”, a personagem se muda para uma nova cidade e enfrenta um mundo desconhecido e acaba se sentindo um bicho estranho. Ideal para que a criança compreenda o processo de adaptação que envolve convivência e tempo.

Vai mudar de casa? Saiba como auxiliar as crianças nesta nova fase!

O livro “O primeiro dia de Chu na Escola” conta a história de um ursinho que enfrenta o seu primeiro dia de aula. Trabalhando assim os sentimentos de medo e insegurança.

Vai mudar de casa? Saiba como auxiliar as crianças nesta nova fase!

Descrição: http://blog.lelele.com.br/wp-content/uploads/2019/11/2312-2.png

“Meu novo lar” é um livro que apresenta a chegada na nova casa. Nos mostra como a criança pode se sentir deslocada inicialmente, comparando tudo com o antigo lar. Mas também aprende que na vida mudanças são necessárias e que com o tempo tudo se ajeita, fazendo novas amizades, vivendo novas aventuras e voltando a se sentir feliz e alegre.

Vai mudar de casa? Saiba como auxiliar as crianças nesta nova fase!

Busque a linguagem infantil para qualquer explanação. Brincadeiras com massinhas de modelar, bonecos, fantoches também pode ser utilizados para explicar a mudança.

As crianças até dois anos não percebem muito essa transição. A partir dos três anos de idade é fundamental que você inclua ela neste processo. Seja solicitando ajuda para embalar os objetos, escolher os brinquedos que vai levar, comprar um novo móvel ou papel de parede. O importante é ela se sentir participativa e deixar a nova casa com o seu “jeitinho”. Vocês podem pintar um quadro juntos e colocar na nova casa. Crianças são participativas e nessa nova fase vai ajudá-la na adaptação. A partir dos sete anos de idade as crianças compreendem melhor as mudanças, mas sentem do mesmo modo saudade, insegurança, estresse, sendo considerável integrá-la nessa transição para que assim ela possa se ambientar com autoconfiança aprazimento.

Espero ter contribuído neste novo processo em sua vida. Recomende esse artigo para seus familiares e amigos, assim, as pessoas que precisam de orientações terão mais chances de encontrar! Deixe o seu comentário.

Deus abençoe e até a próxima semana.

Juliana Rauzer da S. Sousa

Pedagoga, Psicopedagoga, Especialista em Educação Especial e Neuropsicopedagoga.

Acompanhe mais artigos no facebook: Psicopedagoga Juliana Rauzer

Comentários